O planeta ferve: setembro foi o mês mais quente da história



Não é só o Brasil que sofre com os recordes de calor, que, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), trousse risco de morte nessa semana no país. Segundo o serviço sobre mudanças climáticas do Programa Copernicus, setembro foi o mês mais quente já registrado no mundo.

O dado aponta que 2020 deve acabar sendo o ano com a temperatura média mais alta de todos os tempos, superando o calor registrado em 2016.

Além do desconforto e graves riscos à saúde humana, o aumento da temperatura coloca em xeque a própria existência da humanidade. O período de 12 meses entre outubro de 2019 e setembro de 2020 está 1,28 graus celsius acima da média das temperaturas da era pré-industrial.

Para que o planeta não entre em colapso, esse aumento não deve ser maior que 1,5 graus, dizem especialistas. Tanto que no Acordo de Paris, firmado em 2015, 200 nações se comprometeram a não deixar que o aumento médio da temperatura superasse essa marca.

Para isso, reduziriam as emissões dos gases causadores do efeito estufa, produzidos por queimadas, uso de combustíveis fósseis, pecuária e atividade industrial, entre outras ações humanas.

0,2oC por década

O Programa Copernicus é coordenado e gerenciado pela Comissão Europeia em parceria com a Agência Espacial Europeia. Em seu balanço climático mensal, a iniciativa informa que a temperatura do planeta já aumentou mais de 1oC e avança em média 0,2oC pordécada desde o fim dos anos 1970.

O ano de 2020 não vai mudar a tendência, já que também registrou os meses de janeiro, maio e junho mais quentes da história.

Além do mês de setembro, dados dos satélites europeus mostram que o período que vai de janeiro a setembro de 2020 é mais quente que o mesmo período de 2019, segundo ano com as temperaturas mais altas.

Fonte: www.correiobraziliense.com.br