Cinomose: O seu cão é vacinado? A Prevenção é o Melhor Tratamento!



A Cinomose é uma doença altamente contagiosa provocada pelo vírus CDV (Canine Distemper Vírus) ou Vírus da Cinomose Canina (VCC) também conhecido como Vírus da Esgana Canina, que afeta cães, furões e alguns outros animais silvestres.

A transmissão ocorre, geralmente, através do contato com secreções do nariz e boca do animal. Isso pode se dar através de um espirro do animal doente, espalhando a secreção infectante. O vírus da Cinomose tem pouca resistência em nível ambiental, ou seja, fora do organismo do seu hospedeiro, o que facilita o controle ambiental da disseminação da doença, diferentemente do que ocorre com a parvovirose, por exemplo.

As características sistemáticas do inverno desfavorecem a presença deste vírus no ambiente, por isso o cuidado deve ser redobrado nesta época. Apesar da sensibilidade do vírus no ambiente, há muitos relatos de casos de criadores que perderam animais vitimados pela Cinomose após serem introduzidos em ambientes onde outros cães haviam morrido anteriormente com a doença, no período de até seis meses atrás.

Em gatos, a Cinomose tem o nome popularmente conhecido como Panleucopenia felina. Isso porque, é comum questionarmos se Cinomose pega em gato, já que a doença é comum nos cachorros e altamente contagiosa.

Entretanto, apesar de muito parecidas, a doença dos gatos é outra. Os vírus são completamente diferentes, mesmo que os sintomas sejam parecidos.

Apesar disso, a Panleucopenia felina, é tão perigosa quanto o vírus da Cinomose em cães. A razão disso é que o vírus é bastante resistente e pode ficar ativo no ambiente por longos períodos, o que possibilita a contaminação em gatos domésticos ou não.

A importância da prevenção desta enfermidade é funda- mental para a possibilidades de cura, pois pode deixar se- quelas neurológicas se não for diagnosticada na fase inicial ou levar o animal a óbito.

A Cinomose se apresenta em fases, iniciando quase sempre pela fase digestiva (perda de apetite, vômito e diar- réia), fase respiratória (pneumonia e secreção purulenta) e fase neurológica (encefalite, mioclonia, convulsões e ataxia).

Quando o animal é infectado, o período de incubação da doença pode variar de 3 a 15 dias, o tutor precisa ficar atento aos sintomas para ter um diagnóstico rápido e preciso. Os sintomas são apatia, perda de apetite, diarreia, vômito, febre, secreções oculares (remelas em grande quantidade), secreções nasais (pus) e convulsões e aparecem após 7 a 14 dias de incubação.

A maneira de como cada cão será atingido pelo vírus, vai depender do estado do seu sistema imunológico. Com o passar dos dias, os sintomas podem piorar de forma lenta ou rápida, no entanto após a instalação do vírus no sistema nervoso as lesões se tornam irreversíveis e mesmo após o tratamento adequado as sequelas serão permanente.

Tratamento

Ainda não há cura para a Cinomose. É feito um tratamento de suporte para combater os sintomas da doença, com o uso de antibióticos, reposição hidroeletrolítica, suplementação nutricional, cuidados de enfermagem, anticonvulsivos e principalmente o uso de antivirais, algumas terapias alternativas já são utilizadas como, por exemplo, a de células tronco.

Os resultados desse tratamento vão depender do histórico de saúde de cada animal, como por exemplo, boa alimentação e a prática de exercícios. É indicado mantê-lo em um ambiente limpo, de temperatura agradável, com uma boa alimentação, de acordo com as orientações do Médico Veterinário.

A melhor maneira de prevenir a Cinomose é através da Vacinação. O esquema de vacinação adequado é de extrema importância para o melhor desempenho do sistema imunológico. Filhotes devem receber 3 doses da vacina (a primeira com 6 semanas de vida a segunda com 9 semanas de vida e a terceira com 12 semanas). Depois os animais devem receber uma dose da vacina anualmente. Procure sempre um Médico Veterinário, só ele poderá indicar o melhor protocolo vacinal para o seu pet, seja ele filhote ou adulto.

É muito importante que seu cão e gato estejam com a vacinação em dia. A fase final da Cinomose é extremamente triste e de sofrimento terrível para o animal.