Delegado Responde - Violência doméstica e corpo encontrado no córrego no centro



JORNAL O SANTARRITENSE - Dr. Domingos, em nossa redação chegaram informações de que, nesta semana, foi registrado um caso de violência doméstica. E que também houve o registro do encontro de um corpo de um rapaz, o qual estava caído no interior de um córrego canalizado no centro desta cidade. O senhor poderia falar sobre estes fatos?

DR. DOMINGOS ANTONIO DE MATTOS - De fato, mais um caso de violência doméstica foi registrado nesta cidade. Quanto ao corpo encontrado, além dos trabalhos desenvolvidos, mais uma vez uma quantidade das chamadas “fake news” circularam em nosso município, causando alarde e propagando inverdade sobre os fatos.

J.O.S. - Sobre o caso de violência doméstica, o que o senhor poderia nos relatar?

Dr. DOMINGOS - Trata-se de fatos ocorridos na Vila Kennedy, nesta cidade. Segundo a vítima, o seu companheiro (agressor) é uma pessoa muito ciumenta, sendo que por conta disto, já havia agredido a vítima em outras ocasiões. A vítima, na esperança de que o seu companheiro fosse mudar de comportamento, nunca chegou a registrar boletim de ocorrência nesta Delegacia de Polícia. 

Porém, no domingo p.p., quando caminhava com o agressor em uma rua do bairro Vila São Salvador, novamente foi agredido com um soco no rosto. E ainda, no dia seguinte, novamente foi agredida por seu companheiro com socos nas costas. Nesta delegacia, além de narrar os fatos, a vítima solicitou medidas protetivas de urgência contra o agressor, as quais foram encaminhadas para o Poder Judiciário para análise.

J.O.S. - E quanto ao corpo encontrado?

Dr. DOMINGOS - Na manhã de terça-feira p.p., nesta Delegacia compareceu uma mulher, a qual noticiava o desaparecimento de seu marido desde o domingo. Nesta Unidade Policial, referida mulher informou que eram moradores da cidade de Bragança Paulista/SP e estavam nesta cidade na casa de um irmão. No domingo, tanto seu marido quanto seu irmão consumiram bebida alcoólica e, neste contexto, iniciou uma discussão, sendo que esta somente terminou quando o ora desaparecido saiu da casa tomando rumo ignorado. 

Segundo a esposa, depois deste fato, não teve mais notícias de seu marido, o qual saíra apenas com as roupas que trajava, sem levar documentos e/ou dinheiro. Notadamente, entre o desaparecimento e o comparecimento da esposa na Delegacia, foram efetuados contatos com parentes os quais também não tinham notícias do rapaz. Na tarde do mesmo dia, um corpo foi encontrado no interior do leito canalizado de um córrego situado no centro desta cidade, o qual foi reconhecido como sendo do indivíduo que até então estava desaparecido.

J.O.S. - Dr. Domingos, quais as providências adotadas pela Delegacia de Polícia?

Dr. DOMINGOS - Compareci no local dos fatos, acompanhado de um investigador para as diligências iniciais. Foi solicitado o concurso da perícia criminal, bem como acionado o IML de São Carlos para os devidos exames. Já determinei a instauração de Inquérito Policial para a apuração dos fatos.

J.O.S. - Referente a “fake news” que o senhor mencionou, como estas se relacionam com os fatos?

Dr. DOMINGOS - Estas falsas notícias propagadas pelas redes sociais, tomam vulto de uma verdade absoluta, sendo que, tanto quem propaga quanto quem acaba acreditando nestas, sem uma verificação mais profunda, acabam prejudicando inclusive o trabalho policial. No caso em tela, áudios propagados traziam uma informação – diga-se irresponsável – dizendo que tal fato tratava-se de um homicídio. 

Em outra postagem, esta utilizava argumentos apelativos como “busca da Justiça” e uma informação na parte final dizendo “O que matou está solto”. Estas publicações falsas e inconsequentes, nascidas aqui em nossa cidade, chegaram, inclusive às cidades de São Bernardo do Campo/SP e Bragança Paulista/SP, onde Policiais Civis de delegacias especializadas daquelas cidades efetuaram contato conosco para saber qual o motivo real destas publicações. 

Uma equipe desta Unidade chegou a efetuar contato com a esposa do rapaz, bem como com familiares deste, sendo constatado que não tinham sequer a idéia de como tais informações foram propagadas. Por fim, o médico legista concluiu no respectivo laudo que a causa mortis foi afogamento, bem como não haviam outras lesões de interesse médico legal no corpo encontrado.

J.O.S. - Dr. Domingos, o que o senhor poderia orientar quanto a estas “fake news”? Como a nossa população pode se precaver dos efeitos nocivos destas postagens?

Dr. DOMINGOS - Atualmente, muitas pessoas colocam mais confiança nestas postagens irresponsáveis do que em fatos reais. Quem receber uma informação através de redes sociais, devem analisar com muita cautela: verifiquem a origem da postagem. Foi feita por órgão oficial ou não? Qual o grau de confiabilidade de quem efetuou a postagem? Já postou “fake news” anteriores? 

São perguntas que devem ser feitas a cada mensagem recebida. Não podemos ser “parceiros” daqueles que inconsequentemente e de forma esdrúxula postam inverdades. Temos que ser pessoas críticas, responsáveis, e começar a evitar aqueles que postam indiscriminadamente tais conteúdos.