Brasileiros gastam mais com jogos e apostas que com arroz, e mais com fumo que com legumes e verduras, aponta IBGE



Dados divulgados na quinta-feira (17) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que as famílias brasileiras gastam, em média, mais com jogos e apostas que com arroz, assim como gastam mais com fumo que com legumes e verduras.

O levantamento foi realizado entre junho de 2017 e julho de 2018 e faz parte da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), usada para ponderar o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é o indicador da inflação oficial no país.

Foi neste período que os gastos com transporte superaram, pela primeira vez, os de alimen- tação no orçamento familiar brasileiro, conforme o IBGE já havia divulgado em outubro do ano passado. Os gastos com habitação - que incluem aluguel, condomínio, água, luz, gás, entre outros – se mantiveram como o de maior peso nas despesas dos brasileiros.

Entre as despesas com habitação, o aluguel é o item de maior valor - em média, de R$ 723,73. A energia elétrica tem o maior valor (R$ 136,43) entre as despesas com os serviços básicos. Foi estimado, ainda, que cerca de R$ 122,82 são gastos pelas famílias mensalmente com a manutenção geral do lar. Entre os transportes, o gasto médio com o deslocamento urbano foi de R$ 43,98. 

Enquanto as famílias que abasteciam seu carro com gasolina gastavam, em média, R$ 206 por mês, as que optavam por abastecer com álcool desembolsavam R$ 30,79. Na alimentação, também considerando a média de gastos, R$ 442,64 eram gastos por mês com refeição no domicílio, o que corresponde a, aproximadamente, 67% dos gastos totais com alimentos. Carnes, vísceras e pescados (R$ 89,48) somavam os itens de maior peso no valor total da alimentação, mais que o dobro do que era gasto com aves e ovos (R$ 33,60).

Já entre as despesas com saúde, a valor médio gasto com remédios (R$ 157,30) superava o com plano de saúde (R$ 103,99), enquanto as consultas e tratamento com dentista (R$ 20,90) ultrapassava os das consultas médicas (R$ 17,94). Com exames de saúde diversos, as família brasileiras gastaram, em média, R$ 12,62 por mês.

Entre os gastos com educação, os com cursos superiores (R$ 59,78) superavam os cursos regulares (R$ 59,72) como a educação básica. O valor gasto com livros didáticos e revistas técnicas R$ 14,82) superavam aqueles com periódicos, livros e revistas não didáticos (R$ 6,12).

Cerca de 8% em impostos

Em média, as despesas de consumo mensal das famílias brasileiras foi de R$ 4.411,60. Cerca de 8% deste valor era gasto com o pagamento de im- postos. As despesas com tribu- tos somavam, inclusive, mais que os gastos com educação e apenas R$ 0,38 a menos que os com assistência à saúde.

Gasto com jogos, apostas e fumo maior que arroz, legumes e verduras

Ao analisar os tipos de despesas entre as famílias do país, o IBGE identificou que, em média, elas gastam por mês R$ 12,79 com arroz, enquanto desembolsam R$ 14,16 com jogos e apostas - uma diferença de quase R$ 2.

Chamou a atenção também o gasto com fumo, que foi, em média, de R$ 18,95 por mês – valor que supera em quase R$ 3 o gasto mensal com legumes e verduras (R$ 16,07), em R$ 4,10 o com previdência privada (R$ 14,85) e chega a ser maior, até mesmo, que com o pão francês (R$ 18,63), bem como os com sanduíches e salgados (R$ 18,29).

O IBGE observou que o gasto com jogos e apostas entre as famílias com acesso pleno e regular à alimentação de qualidade (R$ 11,60) é quase o dobro do desembolsado pelas famílias com algum tipo de restrição alimentar (R$ 6,76). A menor média de gastos (R$ 5,96) foi observada entre as famílias com insegurança alimentar moderada. Entre aquelas com restrição severa a alimentos, a média de gasto mensal com jogos e apostas foi de R$ 6,02.

Fonte: G1