Polícia Civil prende neste feriado o assassino da jovem Natália


Sob o comando do Delegado de Polícia Dr. Domingos Antônio de Mattos,  a Polícia Civil de nossa cidade prende nessa terça-feira, dia 21 de abril o assassino da manicure Natália. Maiores informações em breve, através de nossos canais: jornal impresso, site e redes sociais.

A polícia de Santa Rita do Passa Quatro (SP) prendeu, na tarde desta terça-feira (21), o suspeito de ter assassinado a manicure Natália Karina Ferreira Correa, de 29 anos. O crime aconteceu em outubro de 2019 e o corpo dela foi encontrado em um matagal próximo a uma estrada rural no bairro Ibó. As informações são do G1.

Keven Willian Conti da Silva, de 23 anos, estava foragido e foi preso no bairro Jardim Boa Vista. Segundo o delegado Domingos Antônio de Mattos, ele confessou o crime. Disse que tinha um envolvimento amoroso com a vítima e que ela queria que ele largasse da esposa para que os dois pudessem ficar juntos.

De acordo com o delegado, no depoimento, Silva disse que não queria terminar com a esposa e foi ameaçado por Natália, que teria dito que daria um jeito na mulher dele. Ele então deu um soco na vítima e depois contou com a ajuda de um comparsa que já foi preso para enforcar a jovem com o fio de um carregador de celular.

Os dois homens deixaram o corpo na casa na casa em que Silva costumava se encontrar com Natália e foram até uma estrada no bairro Ibó e abriram uma cova e voltaram para pegara o corpo e enterrá-lo.

Após prestar depoimento, Silva foi encaminhado para a cadeia de São Carlos.

O crime Natália desapareceu em 24 de outubro do ano passado quando saiu dizendo que ia à casa de uma tia. O seu corpo foi encontrado em um matagal na zona rural em 14 de abril. O delegado explicou que, como o corpo estava embaixo de uma sombra, ele foi preservado e foi possível a identificação por meio da tatuagem da manicure.

"O corpo foi encaminhado ao IML e existia a suspeita de que ela estava grávida, mas o médico descartou. Ela foi morta por asfixia, tinha um fio de carregador de celular no pescoço e também sinais de estrangulamento, lesão nos dentes e no nariz", explicou.

O corpo foi encontrado após o delegado pedir a prisão preventiva de três suspeitos.

"Ouvimos inúmeras testemunhas e o trabalho foi desenvolvido dentro de um sigilo necessário para esclarecimento. Levantamos provas e indícios e chegamos a três suspeitos e passamos a trabalhar como homicídio. Representamos ao juiz ele acatou a nossa manifestação e decretou a prisão temporária desses três", explicou o delegado Mattos.

Keven Willian Conti da Silva era tido como principal suspeito, mas a polícia não o encontrou e deteve a esposa dele e o comparsa dia 14. A participação da esposa foi descartada e ela foi liberada.

"Várias horas de interrogatório e muita contradição. O comparsa resolveu confessar o delito e apontou onde o corpo estava", disse o delegado. Ele ainda confessou ainda a participação no assassinato de um homem em Porto Ferreira, em 12 de abril.