Delegado Responde - Dois casos de violência doméstica na cidade


JORNAL O SANTARRITENSE - Dr. Domingos, como foi o movimento na Delegacia de Polícia nesta primeira semana com atendimento restrito devido à epidemia do COVID-19?

DR. DOMINGOS ANTONIO DE MATTOS - Tivemos uma semana relativamente tranquila, sendo que o atendimento continua sendo prestado, mas com pessoal reduzido e atendimento a determinados crimes. Porém todos são orientados a como proceder neste momento onde se pede o isolamento de pessoas.

J.O.S. - Teve alguma ocorrência de repercussão nesta semana?

DR. DOMINGOS - Nesta semana tivemos o registro de dois casos de violência doméstica ocorridos em nossa cidade.

J.O.S. - Poderia falar destes casos?

DR. DOMINGOS - O primeiro aconteceu na Vila São Salvador nesta cidade. Segundo a vítima, esta convive com seu agressor há muitos anos, sendo que durante todo o tempo teve problemas no relacionamento, tendo em vista a agressividade de seu marido, quando faz uso de bebidas alcoólicas. Neste contexto, o agressor, no final deste mês, começou a fazer uso da bebida e passou a ameaçar de morte a vítima.

Temendo por algo que lhe pudesse ser feito, a vítima ficava trancada no interior de seu quarto sendo que acabou por sair da casa, com medo de sofrer alguma agressão. Na Delegacia de Polícia, a vítima requereu a concessão de medidas protetivas, sendo instaurado inquérito policial para a apuração destes fatos.

J.O.S. - E quanto ao segundo caso?

DR. DOMINGOS - Trata-se de fato ocorrido no Jardim Lagoinha, nesta cidade, no último dia 28/03. Segundo a vítima, os problemas ocorrem em virtude que seu convivente, após fazer uso excessivo de álcool e de droga, tem uma mudança em seu comportamento e passa a ser agressivo. 

Narrou a vítima que já sofrera agressões em momentos anteriores, chegando a registrar os fatos nesta Unidade Policial e solicitar medidas protetivas, mas, no transcorrer do processo, acabou desistindo das medidas que lhe foram impostas. Nesta ocasião que motivou o comparecimento da vítima na Delegacia, informou que foi agredida, ofendida e ameaçada pelo seu convivente, em razão de estar com o seu comportamento alterado. 

Finalizou a vítima, informando que sua filha, de 3 anos de idade, é testemunha desta violência praticada contra sua pessoa. Igualmente ao primeiro caso, a vítima desejou medidas protetivas e houve a instauração de inquérito policial.

J.O.S. - Dr. Domingos, existem algumas orientações a serem informadas para a população sobre o atendimento na Delegacia de Polícia, enquanto perdurar as restrições dada à epidemia?

DR. DOMINGOS - As orientações são as mesmas passadas nas edições anteriores: o atendimento presencial de ocorrências será apenas para alguns casos mais graves. Qualquer boletim de ocorrência pode ser feito pela página da Delegacia Eletrônica, conforme já divulgamos também. Existe o atendimento presencial, mas para fins de orientação à população em como utilizar os meios tecnológicos para o registro de boletim de ocorrência. E, sem dúvida, pessoas que se encontrem em qualquer um dos grupos de risco, notadamente ao vírus COVID-19, deverão FICAR EM CASA, assim como crianças e adolescentes.

J.O.S. - Soubemos que houve grande procura para a retirada dos RGs na Delegacia?

DR. DOMINGOS - Sim, inclusive aproveito a oportunidade para esclarecer que, TODOS OS PROTOCOLOS ENTREGUES NO ÚLTIMO MUTIRÃO, QUE CONSTA COMO DATA DE RETIRADA 30/03/2020, QUE NENHUM DOCUMENTO APORTOU NA DELEGACIA, NÃO HAVENDO DATA PREVISTA PARA TANTO. Assim, oriento a todos que aguardem a chegada dos documentos, sendo que iremos divulgar tais informações oportunamente.