Com medidas restritivas, felizmente Santa Rita segue sem casos de Covid-19


O Instituto Adolfo Lutz divulgou esta semana os últimos resultados de exames de suspeita de Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, em Santa Rita do Passa Quatro. Agora os sete suspeitos foram testados negativos.

Até esta quinta-feira (16/4), o município não tinha nenhum suspeito da doença. Para o prefeito Leandro Luciano dos Santos, a ausência de infectados ou suspeitas é resultado das medidas tomadas para enfrentar a pandemia no município, seguindo orientações do Ministério da Saúde, com principal objetivo é evitar aglomerações e a circulação de pessoas no período.

As primeiras medidas foram tomadas já no dia 19 de março, com o Decreto no 2.908, publicado no Diário Oficial Eletrônico do Município, dispondo sobre as ações na Administração Municipal, com recomendações ao setor privado. Em seguida, após reunião com comerciantes, foi decretado estado de calamidade pública no município determinando medidas restritivas de funcionamento de estabelecimentos comerciais no município. As medidas foram definidas em reunião com a Associação Comercial de Empresarial (ACE), médicos, representantes da Santa Casa e Polícia Militar. O Decreto no 2.909, foi publicado no Diário Oficial Eletrônico do Município, no dia 21 de março.


Outra ação tomada, foi a orientação, pelo Departamento Municipal de Saúde, para que todos os pacientes da rede pública adiassem suas consultas ou exames de rotina e procurem a Santa Casa ou as Unidades de Saúde (Postos) apenas em casos de urgência e emergência.

Outras medidas tomadas foram a interrupção da circulação do ônibus coletivo, fechamento de banheiros públicos, do Cemitério e Velório Municipal, com sepultamentos rápidos.

Eventos e atividades com a Melhor Idade, nos CCIs (Centro de Convivência do Idoso), CRAS e CREAS. Os cursos de capacitação do Fundo Social de Solidariedade, no Centro Profissionalizante (antigo Sesi), também estão suspensos, assim como a Feira do Produtor, aos sábados, na Praça do Rosário.

O Decreto ainda em vigor também veda a expedição de novos alvarás de autorização para eventos públicos e temporários, bem como é determinada a revogação daqueles já expedidos.

Todas estas medidas são consideradas fundamentais para controlar o avanço da doença na cidade.