Alerta! Com 60 casos confirmados, dengue avança e epidemia é risco no município


► Ao todo são 133 notificações, com um óbito já registrado; algumas suspeitas ainda aguardam resultados de exames; preocupação é maior com as chuvas constantes;

► Prefeitura define medidas que serão tomadas, incluindo aplicação de multa aos proprietários ou moradores de imóveis onde foram localizadas larvas.

As constantes chuvas nos últimos meses e falta de cuidados por parte da população resultaram no aumento de casos de dengue em Santa Rita do Passa Quatro. Até esta quinta-feira (27/2), o Departamento Municipal de Saúde contabilizou 60 casos confirmados da doença, em 133 notificações, dos quais 21 já deram negativo, e os outros suspeitos ainda aguardam o resultado dos exames. Um óbito também já foi registrado no município.

Na manhã também desta quinta-feira, o prefeito Leandro Luciano dos Santos recebeu em reunião representantes do Departamento Municipal de Saúde, com profissionais da Vigilância Sanitária e Vigilância Epidemiológicas, além dos departamentos de Meio Ambiente, Obras, Serviços Municipais e Administrativo para uma reunião da chamada Sala de Situações. A preocupação agora é de uma iminente epidemia, como ocorreu em 2015, quando o município registrou 809 casos da doença, como também um óbito registrado.

Durante a reunião, o responsável pela equipe de Controle de Vetores, Rodrigo Naca, fez uma explanação sobre a situação do município com relação a proliferação da doença e as principais dificuldades encontradas tanto na prevenção, como no combate ao mosquito Aedes aegypti, seu transmissor.


De acordo com o responsável, a maior incidência do mosquito está nas próprias residências, onde são encontrados vasos, baldes, embalagens plásticas, bebedouros de animais domésticos e equipamentos de construção civil. Outras grandes preocupações são recipientes deixados nas calçadas para animais de rua sem os devidos cuidados, como a limpeza e a troca frequente de água e também pessoas que trabalham com reciclagem e não dispõem de locais cobertos para depósito dos materiais.

MULTA Mesmo com a atuação frequente da Vigilância Epidemiológica, a Prefeitura definiu medidas mais rígidas que serão tomadas a partir de agora. Trabalhadores do DSM e da chamada “frente de trabalho”, ação social em curso no município, irão atuar junto com a equipe de Controle de Vetores, nas visitas aos bairros, junto a ação nas casas, com a limpeza de ruas e terrenos.

O Setor de Tributação irá fiscalizar estabelecimentos comerciais que oferecem riscos que estarão sujeitos a interdição, em caso de irregularidade. Todos os prédios e terrenos públicos já estão sendo vistoriados e limpos.

Por lei, a população deve garantir acesso aos agentes de controle de vetores às residências. Nos locais onde forem encontrados água parada ou larvas o proprietário ou morador irá receber uma notificação e, em caso de reincidência, poderá também ser multado, de acordo com a Lei 2964/2011. A multa é de 5 Valores de Referência, que pode ultrapassar os R$ 600,00.

“Nossa prioridade é não perder vidas!”, enfatizou o prefeito durante a reunião. O prefeito também demonstrou preocupação com a situação financeira da Santa Casa que pode ser agravar em função do aumento dos atendimentos. Em 2015 foram gastos quase R$ 200 mil, valor este que poderia ter sido empregado na compra de equipamentos para o hospital, por exemplo.

PREVENÇÃO As medidas de combate à dengue começam com trabalho preventivo e de orientação. Diariamente os Agentes de Controle de Vetores percorrem as residências da cidade, realizando o chamado bloqueio de criadouros, que é a busca de recipientes que possam acumular água com risco de proliferação do mosquito. A equipe também promove o chamado bloqueio mecânico e a nebulização nas áreas próximas onde foram confirmados os casos.

Os agentes estão uniformizados e identificados com crachás e a orientação é que a população facilite o acesso aos quintais de demais áreas externas. A equipe também busca por sintomas da doença nos moradores e os orientam a procurarem o serviço de saúde, em casos de suspeita.

SINTOMAS E FATALIDADE Além de eliminar os prováveis focos de proliferação do mos- quito, evitando deixar expostos materiais que possam acumular água parada, as pessoas devem ficar atentas aos sintomas da doença, como febre alta (39° a 40°C), dores de cabeça, cansaço, dor muscular e nas articulações, indisposição, enjoos, vômitos, entre outros. No caso da dengue hemorrágica, pode aparecer sangramento de pequenos vasos da pele e outros órgãos e ainda tonturas por causa da queda na pressão arterial.

Se algum sintoma for identificado, a pessoa deve procurar por uma das Unidades Básicas de Saúde (Postinhos) ou a Santa Casa, que está montando uma sala exclusiva de atendimento, com a triagem de possíveis casos.

A dengue pode levar a morte pessoas com comorbidades (enfermidades que predispõem o paciente a desenvolver outras doenças).

A DOENÇA A dengue é uma doença febril aguda causada por vírus, sendo um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. O seu principal vetor de transmissão é o mosquito Aedes aegypti.A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 20 mil pessoas morrem anualmente em consequência da doença.

Existem quatro tipos de dengue: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4. Embora pareça pouco agressiva, a doença pode evoluir para a forma hemorrágica e a síndrome do choque da dengue, caracterizadas por sangramento e queda de pressão arterial, o que eleva o risco de morte. Atualmente, a maior incidência no município é da DEN-2.