Delegado Responde - Registro de homicídio e caso de estupro


JORNAL O SANTARRITENSE – Tivemos uma semana tensa, devido ao registro de um homicídio e também de uma informação de sequestro/cárcere privado e estupro. O senhor poderia nos informar como foram essas duas ocorrências?

DR. DOMINGOS ANTONIO DE MATTOS - Na noite do último sábado, dia 24, foi registrada na Central de Polícia Judiciária (Polícia Civil) de Ribeirão Preto-SP, uma ocorrência na qual uma mulher de 29 anos, moradora de Santa Rita do Passa Quatro, teria sido vitimada por um sequestro, ocorrido na noite anterior, nas imediações de sua residência, nesta cidade.

De acordo com as informações iniciais prestadas pela vítima, na noite da sexta-feira, quando se dirigia para sua casa, ela teria sido abordada e rendida por dois indivíduos desconhecidos, os quais adentraram em seu veículo e a obrigaram a dirigir até a cidade de Ribeirão Preto-SP, onde teria sido mantida em cárcere privado, sofrendo inclusive violência sexual durante aquela noite e liberada somente no dia seguinte.

Na noite do sábado, foi feito o registro da ocorrência versando sobre sequestro/cárcere privado e estupro pela Polícia Civil de Ribeirão Preto-SP e tomadas as providências preliminares, no entanto, no início desta semana, a Polícia Civil de Santa Rita, em contato com familiares e com a “vítima”, esta veio a desmentir os fatos criminosos inicialmente por ela relatados, negando ter sido vítima de qualquer tipo de crime e esclarecendo as circunstâncias, de caráter pessoal, que a levaram a inventar a versão inicial.

Assim, a “vítima” prestou declarações na Delegacia de Polícia de Santa Rita, esclarecendo todos os fatos, sendo que a sua conduta poderá amoldar-se ao crime previsto no Art. 340 do Código Penal, no capítulo dos crimes contra a Administração da Justiça, que trata do delito de comunicação falsa de crime ou contravenção, ao qual é cominada pena de 1 a 6 meses de detenção ou multa.

J.O.S. – E sobre o homicídio que abalou nossa população?

DR. DOMINGOS - Conforme apurado, na noite da última segunda-feira, o jovem A., 18 anos de idade, veio a esfaquear o adolescente J., de 17 anos, durante uma briga, tendo o adolescente vindo a óbito em decorrência das lesões.

Consta que o adolescente teria ido procurar o autor, com o qual já havia tido um desentendimento anterior, por motivos banais e relacionados à brigas entre amigos de ambos, nas quais já haviam inclusive ocorrido agressões.

Na noite de segunda-feira, por volta das 22:30h, novamente o adolescente e o autor entraram em atrito, na Rua Cabo Valter César Alves dos Santos, situado no Conjunto Habitacional da CDHU, ocasião em que o autor veio a atingir mortalmente o adolescente com uma faca de cozinha, a qual foi por ele abandonada durante a sua fuga na residência de sua namorada, localizada nas imediações. O adolescente chegou a ser socorrido pelo SAMU, no entanto, veio a óbito em face das lesões recebidas.

Posteriormente, o autor retornou ao local, onde foi abordado por pessoas até então desconhecidas, as quais lhe agrediram severamente, promovendo um verdadeiro “linchamento”, sendo necessário também o socorro do autor ao Pronto Socorro desta cidade, de onde, em virtude da gravidade das lesões, ele foi transferido para a cidade de Ribeirão Preto-SP, permanecendo ainda hospitalizado e sob escolta policial.

A Polícia Civil local, após comunicação dos fatos, tomou as providências cabíveis, sendo lavrado o auto de prisão em flagrante delito em desfavor do autor, pelo crime de homicídio qualificado, tendo a Autoridade Policial representado pela conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva. A faca utilizada no crime foi apreendida, bem como foram requisitadas as perícias necessárias e colhidos os depoimentos preliminares de testemunhas, sendo que o caso segue em investigação pela Delegacia de Polícia local.