Delegado Responde - Duplo homicídio, violência doméstica e apreensão de veículo roubado


JORNAL O SANTARRITENSE - Duplo homicídio, flagrante de violência doméstica, apreensão de veículo produto de ilícito foram os fatos que marcaram o final de 2019 e o início deste ano. Dr. Domingos, em relação ao triste e horrível fato que marcou nossa cidade no final do ano passado, o que o senhor poderia nos informar?

DR. DOMINGOS ANTONIO DE MATTOS - De fato, uma tragédia abalou nossa cidade no final de 2019. Sobre os fatos, um cuidador de idosos, ao chegar na residência das vítimas para o serviço que rotineiramente fazia, na manhã do dia 26/12/19, notou algo estranho, em razão de não ter sido atendido quando chegou no local. Com auxílio de vizinhos, conseguiu pular o muro da casa e, em um corredor externo do imóvel, encontrou marcas de sangue.

Ao entrar na casa, encontrou a dona do imóvel, ensanguentada, caída ao solo e já sem vida. Ao se dirigir até a sala da casa, local onde ficava o dono do imóvel, também o encontrou sem vida, caído ao solo e com o corpo coberto de sangue. O dono do imóvel era acometido de uma doença que não lhe permitia a locomoção, sendo que ele ficava na sala da casa, sendo seu leito uma cama hospitalar.

Diante da cena, o cuidador chamou a Polícia Militar que, chegando no local, afastaram inúmeros curiosos que ali estavam. Neste interim, não foi encontrado o filho do casal assassinado, sendo que o cuidador indicou um quarto, cujo acesso era efetuado pelo lado externo da casa. Os policiais perceberam que havia alguém no interior deste cômodo e, como a porta estava trancada, houve a necessidade de seu arrombamento. 

Ao adentrarem o quarto, os policiais encontraram o filho do casal, sobre uma cama, e também ferido, apresentando um corte profundo na região do pescoço. Foi acionado o SAMU desta cidade, onde uma equipe providenciou a remoção deste rapaz até a Santa Casa. No caminho ao hospital, este rapaz, que pronunciava palavras de forma descompensada, disse que teria matado seus pais. 

Acionada a Polícia Civil, eu e uma equipe de policiais comparecemos no local, constatando o fato. Determinei de pronto o acionamento da perícia e me desloquei até a Santa Casa. No hospital, obtive a informação que o rapaz, autor do delito, fora estabilizado, mas que seria transferido a uma unidade hospitalar do município de Ribeirão Preto/SP. Na continuidade das diligências, entrevistei o autor, o qual me disse que fez uso de crack, na madrugada dos fatos, entre 01:00 as 05:00 horas e, chegando em casa, “louco”(sic), tomou duas cartelas de remédios controlados para tentar se acalmar. 

Na sequência, disse ainda que chamou sua mãe para a copa e, no corredor entre a copa e a sala, passou uma faca em seu pescoço, onde começou a jorrar sangue. Neste momento, a mãe do autor começou a gritar e este, pensando que iria morrer, decidiu matar sua mãe, onde deu golpes de faca, sendo um na região dos seios e outros nas costas. Como seu pai começou a gritar muito na cama de hospital onde ficava, foi o autor até seu pai e desferiu neste várias facadas, onde acabou caindo no chão. 

Depois disto, o autor foi até o seu quarto, trancou a porta e novamente passou a faca em seu pescoço em uma tentativa de se matar. Diante disto, dei voz de prisão em flagrante delito ao autor porém, em razão de seu estado clínico e da iminente e necessária remoção a uma unidade hospitalar especializada, não procedi ao seu interrogatório, o que será realizado em momento mais oportuno. Entrevistado o médico plantonista que efetuou os primeiros atendimentos ao autor, este informou que as lesões que este provocou em seu próprio pescoço, não atingiram a carótida, motivo pelo qual não faleceu e que apresentava um quadro estável. 

Com a chegada da Perícia Criminal, também acompanhei aos trabalhos, onde houve a constatação que, a mãe do autor, apresentava ferimentos de faca na altura do seio direito, nas costas, bem como nas mãos e nos braços estas últimas, possivelmente, lesões de defesa. O pai do autor dos fatos apresentava lesões nas costas, nos braços e no pescoço.

J.O.S. - E quais foram as providências adotadas?

DR. DOMINGOS - Encerrada as diligências preliminares, bem como a lavratura do auto flagrancial, houve a comunicação da prisão do autor ao Juízo do Plantão Judiciário de Pirassununga/SP, o qual decretou a prisão preventiva do autor em razão de todo o colimado nos autos. O autor foi transferido para a Unidade de Emergência do HC de Ribeirão Preto/SP onde, sob escolta policial, aguardou sua alta médica, ocorrida em 03/01/2020, sendo então removido à Penitenciária de Araraquara.

J.O.S. - Dr. Domingos, houve também a lavratura do primeiro flagrante neste ano de 2020. Qual a infração cometida e o que o senhor poderia relatar?

DR. DOMINGOS - O primeiro flagrante registrado em nossa cidade, foi em razão da prática do delito de furto e de descumprimento de medida protetiva. Consta que a vítima, moradora no centro desta cidade, no início da manhã do dia 09/01, foi avisada pela sua filha que, o autor dos fatos, seu ex companheiro, lá havia entrado. 

O autor, alegando que ali fora para pegar peças de roupas, acabou subtraindo um telefone celular da vítima e, em seguida, fugiu do local correndo. Além deste fato, contra o autor há decretada medida protetiva, sendo que ele não poderia se aproximar da vítima. Acionada a Polícia Militar e cientificados os policiais militares sobre o fato, estes acabaram detendo o autor em uma construção e, realizada revista pessoal, encontraram o telefone celular subtraído. 

Conduzido a esta Unidade Policial, o autor foi autuado em flagrante e, em seguida, apresentado em sede de audiência de custódia, sendo sua prisão em flagrante convertida em preventiva. O autor foi removido à Penitenciária de Araraquara/SP local onde aguardará seu julgamento.

J.O.S. - E quanto à apreensão de veículo?

DR. DOMINGOS - No mesmo dia 09/01, Policiais Militares efetuando operação de fiscalização de trânsito, em frente à Escola Nelson Fernandes, abordaram o condutor de um veículo VW Gol, cor branca. Efetuada pesquisa na base de dados de veículos, obteve-se a informação que referido automóvel teria uma queixa de apropriação indébita. 

A ocorrência foi apresentada nesta Delegacia onde, após novas pesquisas, verificou que referida restrição se devia ao fato de que a ex mulher do condutor do veículo VW Gol, no mês de julho do ano passado, lavrou um Boletim de Ocorrência desta natureza, em um distrito policial da cidade de Guarulhos/SP. 

O condutor do veículo, por sua vez, disse que o veículo em questão fora o único bem que lhe restou, pois os demais ficaram todos com sua ex mulher e que conseguiu o carro, em comum acordo, haja vista possuir restrições de locomoção devido à lesões em sua coluna, desconhecendo por completo a existência da restrição. 

O veículo foi apreendido, recolhido ao pátio e será submetido à perícia criminal, sendo sua restituição condicionada à determinação do delegado de polícia de Guarulhos/SP, o qual possui a atribuição para a apuração do ilícito noticiado.