Prefeito representa município e Aprecesp em reunião da Amppesp


O prefeito de Santa Rita do Passa Quatro, Leandro Luciano dos Santos, representando também a Associação das Prefeituras das Cidades Estâncias do Estado de São Paulo (Aprecesp), participou do 3° Encontro de Municípios da Associação dos Municípios de Pequeno Porte do Estado de São Paulo (Amppesp), entidade que contempla as cidades com população de até 50 mil habitantes. O evento aconteceu em Holambra, na última segunda-feira (11/6).

Participaram do encontro mais de 50 prefeitos e representantes de mais de 120 cidades paulistas. A Amppesp é presidida pelo prefeito de Cordeirópolis, Adinan Ortolan, e entre os convidados estavam os secretários de Estado Flávio Amary, de Habitação; Marco Vinholi, de Desenvolvimento Regional; e o presidente da Funasa (Fundação Nacional de Saúde), vinculada ao Ministério da Saúde, Ronaldo Nogueira de Oliveira.

O principal objetivo do evento é incentivar e fortalecer o trabalho conjunto de municípios de pequeno porte, com menos de 50 mil habitantes, para garantir maior representatividade junto aos governos estadual e federal. Além disso, o evento oferece oportunidade aos gestores públicos de apresentar demandas às secretarias presentes, facilitando o acesso a lideranças de outros entes federativos, sobretudo do Governo do Estado.

Além de diferentes expositores, o encontro contou ainda com palestra de representantes do projeto Google For Education – que apresentou a prefeitos e secretários de Educação inovações e tecnologias disponíveis para o aperfeiçoamento do processo de ensino na rede pública.

“Entre as demandas tratadas, estiveram a habitação e o saneamento, das quais Santa Rita está muito bem conceituada com a conclusão do nosso Conjunto Habitacional Arnaldo dos Santos e a recente inauguração da Estação de Tratamento de Esgoto do Capituva”, disse o prefeito. “Além da gestão, com o reconhecimento das nossas ações em combate à crise e à queda da arrecadação nos último anos, crise que conseguimos combater e vencer sem prejudicar os serviços essenciais a população como saúde, educação, segurança, merenda e transporte escolar”, concluiu.