Delegado Responde - Roubo em residência e embriaguez ao volante


JORNAL O SANTARRITENSE - Dr. Domingos, uma semana com roubo em residência e um flagrante de embriaguez ao volante. Pode falar sobre tais fatos?

DR. DOMINGOS ANTONIO DE MATTOS - Nesta semana, uma residência situada na Vila Norte nesta cidade, foi assaltada por três indivíduos armados e encapuzados e quanto ao flagrante, o condutor de uma caminhoneta foi abordado na Rodovia Zequinha de Abreu, por Policiais Militares Rodoviários, que realizavam a Operação Direção Segura.

J.O.S. – Sobre o roubo em residência, o que o senhor pode nos falar?


DR. DOMINGOS - Consta que a vítima, uma senhora de 69 anos de idade, estava sozinha em sua casa, pois seu marido havia saído. Quando foi até a cozinha, foi surpreendida por um indivíduo armado e encapuzado. Este, de pronto, avançou contra a vítima, imobilizando-a e, com arma em punho, anunciou o assalto.

Feito isto, a vítima pode perceber que mais dois indivíduos encapuzados entraram em sua casa. Neste contexto, a vítima informou que os três indivíduos sempre perguntavam que hora que o seu marido voltaria. Em seguida, a vítima foi amarrada nas mãos com lacres, popularmente conhecidos por “enforca gato”, teve a cabeça coberta e a boca fechada com um pano, para que não gritasse e assim chamasse socorro.

Desta forma, a vítima foi deixada trancada em um cômodo enquanto os assaltantes reviraram toda a residência. E assim, dentro de um guarda roupas, os assaltantes encontraram a quantia de R$ 1.500,00 a qual de lá foi subtraída.

J.O.S. – A vítima se machucou?

DR. DOMINGOS - Após uma hora dos fatos ocorridos a vítima, percebendo que não havia mais ninguém em casa, forçou as mãos para se livrar dos lacres ali colocados, onde acabou se cortando.

J.O.S. – E as investigações?

DR. DOMINGOS - Os fatos foram registrados no Plantão Policial de Porto Ferreira mas, assim que tivemos notícia deste registro, de pronto determinamos ao setor deinvestigações o total empenho na identificação da autoria do delito.

J.O.S. – E quanto a prisão em flagrante?

DR. DOMINGOS - Durante a semana, Policiais Militares Rodoviários realizavam a Operação Direção Segura. Desta forma, os policiais estavam posicionados na Rodovia Zequinha de Abreu, onde procederam a abordagem do condutor de uma caminhoneta. Nesta abordagem, os policiais rodoviários notaram que, do hálito do condutor abordado, exalava odor de álcool, sendo assim convidado a realizar o teste do etilômetro.

J.O.S. – O teste foi realizado?

DR. DOMINGOS - Sim. O teste foi realizado e foi obtido como resultado a concentração de 0,55 miligramas de álcool por litro de ar alveolar.

J.O.S. – E qual é o limite?

DR. DOMINGOS - Pela legislação de trânsito, há o que chamamos de “tolerância zero”. Ou seja, qualquer variação no resultado obtido, gera autuação e a perda do direito de dirigir. Isso tudo em sede administrativa. Se o resultado for acima de 0,33 mg/l, que é o caso do autuado, além das sanções administrativas, também há a responsabilização penal.

J.O.S. – Então foi o rapaz autuado em flagrante?

DR. DOMINGOS - Nos termos da lei, houve a autuação e foi arbitrada fiança criminal, a qual foi exibida e o autuado colocado em liberdade. Mas ele ainda responderá por processo criminal.