Delegado Responde - Flagrantes, apreensão de arma de fogo e procurado capturado


JORNAL O SANTARRITENSE - Dr. Domingos, esta semana que passou foi movimentada para a Polícia Civil. O que aconteceu?

DR. DOMINGOS ANTONIO DE MATTOS - Nesta se­mana, em nossa cidade, tivemos dois flagrantes, sendo um de furto e outro de lesão corporal, uma apreensão de uma similar a arma de fogo e a captura de um indivíduo procurado por tráfico de drogas.

J.O.S. Soubemos que o senhor também está respon­dendo pela Delegacia de Polícia de Descalvado. Algo de interesse por lá?

DR. DOMINGOS - Por lá tivemos uma grande apreensão de armas de fogo.

J.O.S. - Pois bem. Dr. Domingos, fale sobre os aconte­cimentos em nossa cidade. Sobre os flagrantes, os autores do crime estão presos?

DR. DOMINGOS - O flagrante de furto foi praticado por um casal, já bem conhecido em nossa cidade, com váriaspassagens na Delegacia. Através de chamado feito ao 190, Policiais Militares compareceram no local denunciado, onde encontraram a autora, na posse de uma bolsa e o autor sobre o muro da residência vitimada. Até então, os Policiais Militares desconheciam os fatos. Porém, com a abordagem destes, bem como o encontro de vários objetos em poder de tais pessoas, as suspeitas da prática delitiva se consubstan­ciaram. Neste contexto, a vítima apareceu, confirmando que os bens que estavam em poder dos autores eram de sua propriedade. Desta maneira, o auto de prisão em flagrante foi elaborado e, em sede de audiência de custódia, o casal foi mantido preso.

J.O.S. - E quanto ao flagrante de violência doméstica?

DR. DOMINGOS - A vítima, após ser agredida e esgana­da, acionou a Polícia Militar, onde policiais compareceram em sua residência. No local, a vítima narrou os fatos, sen­do que o autor por lá também se encontrava. Quando foi informado que seria conduzido ao Plantão Policial, o autor disse que não iria, pois era trabalhador. Desta forma, ante a recusa expressa e pela resistência em sua contenção, foi necessária a condução de forma coercitiva do autor atéao plantão policial onde o auto flagrancial foi elaborado emrazão da prática da violência doméstica e pela resistênciaà ordem legal dos policiais. Este também, em sede de audi­ência de custódia, teve convertida a sua prisão em flagrante para preventiva e removido à Penitenciária de Araraquara, onde aguardará recluso o seu julgamento.

J.O.S. E quanto à apreensão desta arma?

DR. DOMINGOS - Pelo plantão policial de Porto Ferreira,houve a apresentação, por policiais militares, de um indi­ víduo, sendo que, nas denúncias recebidas, estas motiva­ram a ação policial em sua residência, onde lá os policiais encontraram um objeto semelhante a uma espingarda. O delegado de plantão, considerando o estado deste artefato, o qual não possuía documentação, ou mesmo qualquer tipo de numeração ou marca de fabricação, aparentemente de confecção artesanal, sem qualquer tipo de munição e não tendo naquele momento, condições mínimas de avaliar qualquer tipo de funcionabilidade do artefato, este foi apre­endido e encaminhado à perícia criminal para a verificação de eventual potencialidade ofensiva.

J.O.S. Sobre a prisão do procurado pelo crime de trá­fico, o que o senhor pode falar?

DR. DOMINGOS - Policiais Civis desta De­ legacia, munidos como Mandado de Prisãoexpedido pelo Juízo local, em diligências visando a captura deste indivíduo, se deslocaram até a Vila Norte nesta cidade onde conseguiram capturar o foragido. Após as forma­lidades de praxe, este foi removido ao Centro de Triagem de São Carlos para posterior encami­nhamento à Penitenciária de Araraquara.

J.O.S. O senhor também mencionou acerca de uma grande apreensão de armas na cidade de Descalvado, onde o senhor, temporariamente, também responde na função de Delegado de Polícia. Poderia falar mais sobre o assunto?

DR. DOMINGOS - Policiais Ambientais da região, funda­ dos em denúncias recebidas, sob o aporte de Ordem Judicial de Busca e Apreensão, realizaram buscas em logradouros daquela cidade. Neste, situado no Jardim Santa Cruz, os Po­liciais Ambientais encontraram na residência de um senhor de 58 anos de idade, petrechos para recarga de munições(artefatos de fabricação caseira para recarga de cartuchos, pólvora, inúmeras buchas, ponteiras de metal, espoletas), além de mais de 200 cartuchos, em sua grande maioria íntegros de munições de calibres diversos, além de sete armas, sendo estas de calibres 20, 28, 32 bem como uma arma de flechas. 

O indivíduo morador do imóvel assumiu a propriedade destas e foi autuado em flagrante delito. Na esfera policial, não houve arbitramento de fiança. Em sede de audiência de custódia, o juiz de Descalvado arbitrou 15 salários mínimos como fiança, para somente após a recolha do valor, o autuado ser colocado em liberdade. Desta forma,o recolhimento foi efetuado e agora o autuado responderá pelo processo em liberdade, além também da possibilidade de responsabilização por eventual cometimento de crime ambiental relacionado à caça predatória.