Delegado Responde: Idosa foi agredida durante assalto


JORNAL O SANTARRITENSE – Dr. Domingos, essa semana foi marcada pela ocorrência de vários crimes violentos em nossa cidade e, em especial, o assalto na casa de uma senhora idosa, a qual teria sido agredida fisicamente pelo ladrão ou ladrões. Esse fato gerou inúmeras postagens, as quais viralizaram nas redes sociais. O Doutor pode nos esclarecer o que aconteceu?

DR. DOMINGOS ANTONIO DE MATTOS – Infelizmente, entre outras ocorrências onde houve emprego de violência, foi registrado o roubo ocorrido na Vila Aparecida, nesta cidade, vitimando uma Senhora de 72 anos. Segundo apurações preliminares, no início da tarde do último dia 03 de outubro, a sobrinha da vítima foi até o local, como de costume, encontrando a mesma deitada em sua cama, ensanguentada, defecada e desorientada, tendo dificuldade de reconhecer sua interlocutora.

Após ser providenciado socorro para a vítima a Polícia Civil iniciou trabalhos de investigação, sendo constatados danos em um dos vidros da porta dos fundos da casa, provavelmente por onde o meliante adentrou e anotado a subtração de um botijão de gás e de um conversor de sinal analógico para digital. 

No quarto da vítima foram encontradas tampas plásticas de garrafas de aguardente e 03 cigarros consumidos, esses últimos apreendidos para colheita de material genético que permita confronto de DNA com eventual suspeito identificado, vez que a vítima não é fumante. Essa prova técnica é fundamental para que se possa efetivamente responsabilizar o autor do delito, vez que atualmente não mais se admite trabalhar com meras suposições ou conjecturas. 

A Justiça tem que ser subsidiada com elementos contundentes e sustentáveis de provas e aPolícia Civil e a Técnico Cientifica são os responsáveis pela sua colheita, feitas em sede de Inquérito Policial, permitindo eventual processo e condenação do acusado. Durante primeira conversa com a vítima, no hospital, a mesma ainda estava muito abalada emocionalmente e apenas dizia que o meliante havia lhe agarrado pelo pescoço.

J.O.S. – Foi levado algum valor em dinheiro da vítima?

DR. DOMINGOS – Não, apenas aqueles objetos citados acima e um relógio que era por ela utilizado.

J.O.S. – O bandido manteve relações sexuais com a vítima? É verdade que havia esperma pela casa e no corpo da vítima?

DR. DOMINGOS – Após melhora do estado emocional da vítima mantivemos novo contato com a mesma e essa disse que o suspeito a agrediu fisicamente, vez que estava nervoso, tendo passado a mão em seus órgãos genitais, não mantendo relações sexuais. É mentira que havia esperma espalhado pela casa ou mesmo na vítima.

J.O.S. – Em postagem nas redes sociais consta que a Polícia Militar já teria identificado o autor do crime e que a vítima não sofreu nenhum tipo de abuso sexual. Sua resposta anterior contraria a postagem, vez que o Doutor citou abuso. Qual o motivo dessa contradição?

DR. DOMINGOS – Como disse anteriormente, compete a Polícia Civil esclarecer os fatos através da colheita de provas robustas, não apenas suposição, nesse sentido foi dirigida minha resposta. Não tinha conhecimento dessa postagem enão sei onde está baseada, sendo que pretendo então oficiar ao Comandante da Polícia Militar solicitando informações sobre tal autoria, vez que a identificação do suspeito é de suma importância para o Inquérito Policial. Quanto ao abuso, o mesmo foi narrado pela própria vítima durante indagações efetuadas por Policiais Civis.

J.O.S. – Também foi postada nas redes sociais a fotografia de um elemento, possivelmente o autor a que se refere a notícia da Polícia Militar. O que o Doutor pode falar sobre isso?

DR. DOMINGOS – Essa postagem, cuja origem ainda não está completamente identificada, gerou uma situação de risco para a pessoa, inclusive tendo o irmão dela necessitado fugir de elementos que desejavam efetuar seu linchamento quando estava em uma padaria da cidade. 

Imediatamente após tomar conhecimento dessa divulgação determinei aos Investigadores que apresentassem referido elemento na Delegacia para ser interrogado. Durante a diligência o elemento negou qualquer participação no crime e, após checagem de todos seus álibis – inclusive com a gravação de câmeras de segurança, chegamos à conclusão de que o mesmo não tem nenhum envolvimento com o crime em tela. 

A própria vítima olhou atentamente a fotografia postada e descartou a participação desse elemento no crime. Segundo ela, o autor, apenas um, era negro, forte, olhos “esbugalhados” e trajava shorts amarelo e camisa vermelha.

J.O.S. – A vítima chegou a ver o rosto do ladrão?

DR. DOMINGOS –
Sim, durante o roubo a vítima conseguiu tirar a máscara do autor do roubo o que lhe permite efetuar seu reconhecimento. Quando da apresentação das imagens para a vítima essa estava consciente e, em nenhum momento, demonstrou algum tipo de confusão mental que pudesse invalidar ou trazer dúvidas no reconhecimentofotográfico.