Dani Ruano - Outubro Rosa: Especial Câncer de Mama


Nos próximos 3 finais de semana de outubro faremos um especial Outubro Rosa em apoio à prevenção do câncer de mama. Desmistificar o câncer de mama é fundamental para combatê-lo: nos últimos anos, a taxade mortalidade da doença caiu mais de 40%, e o diagnóstico precocefoi essencial para isso. Nas próximas reportagens, vamos conversar com especialistas o e com mulheres que já venceram essa batalha.

O movimento O movimento Outubro Rosa, nasceu na década de 1990 para esti-mular a participação da população no controle do câncer de mama. A data é celebrada anualmente em várias partes do mundo, tem o objetivo de compartilhar informações sobre o câncer de mama, promovera conscientização sobre a doença, proporcionar maior acesso aosserviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a reduçãoda mortalidade.

A doença Segundo o Centro de Oncologia, o câncer de mama é o tipo de tumor mais comum entre as mulheres no mundo, e também no Brasil, depois do câncer de pele não melanoma, o câncer de mama responde por cerca de 25% dos casos novos a cada ano. A doença acomete homens mais raramente, representando apenas 1% do total de casos da doença.

A doença causada pela multiplicação de células anormais da mama,que formam um tumor. Há vários tipos de câncer de mama. Alguns tipos têm desenvolvimento rápido enquanto outros são mais lentos.

Conforme o Oncoguia, embora muitos tipos de câncer de mama possam apresentar-se como um nódulo, nem todos o fazem. Tambémé importante entender que a maioria dos nódulos na mama não é câncer, muitos podem ser benignos. Os tumores benignos de mama são crescimentos anormais, mas não se disseminam, mas alguns nódulosbenignos podem aumentar o risco da contrair câncer de mama. Assim sendo, qualquer alteração na sua mama deve ser examinada por ummédico para determinar se é benigna (ou não) e se pode ser um risco para o desenvolvimento de um câncer no futuro.


Fatores de risco O câncer de mama não tem uma causa única. Diversos fatores estão relacionados ao aumento do risco de desenvolver a doença, tais como: idade, fatores endócrinos/história reprodutiva, fatores comportamentais/ambientais e fatores genéticos/hereditários. A idade, assim como em vários outros tipos de câncer, é um dos principais fatores que aumentam o risco de se desenvolver câncer de mama. O acúmulo de exposições ao longo da vida e as próprias alterações biológicas com o envelhecimento aumentam o risco.

Mulheres mais velhas, sobretudo a partir dos 50 anos, são mais propensas a desenvolver a doença. Asalterações genéticas, diretamente relacionadas à biologia celular, que podem ser estimuladas por fatores ambientais tais como: tabagismo,uso de hormônios (TRH – terapia de reposição hormonal por tempo prolongado), obesidade, fumo e alcoolismo. 

Também é mais frequente nas mulheres que tem início da menstruação em idade muito jovem e menopausa tardia. O uso de anticoncepcionais orais tem sido associado ao aumento da incidência, porém os dados de não são conclusivos. Em 5 a 10% dos casos o tumor decorre demutações genéticas encontradas em grupos familiares, e é mais frequente em determinados grupos étnicos como, por exemplo, as mulheres brancas, caucasianas, particularmente as judias de origem europeia.

Atenção deve ser dada às pacientes com antecedentes de câncer de mama na família,principalmente quando há casos de mulheres acometidas antes dos 35 anos. Existe tratamento para câncer de mama,e o Ministério da Saúde oferece atendimento por meio do Sistema Único de Saúde, o SUS.

Na próxima edição: Prevenção e Sintomas