Obra na represa completa 4 anos e afasta fantasma do racionamento em Santa Rita


O ano de 2014 foi marcado por umas das maiores secas das últimas cinco décadas em Santa Rita do Passa Quatro. O fenômeno trouxe à tona uma crise com consequências para toda a população, com falta d’água nas torneiras e um racionamento que chegou a 36 horas de interrupção no abasteci- mento público.

Na época, o recém empossado prefeito Leandro Luciano dos Santos buscou parcerias, a princípio para enfrentar a crise hídrica e no segundo momento, para realizar um planejamento que decidiria o futuro do saneamento básico no município.

O resultado pode ser avaliado agora, quatro anos depois, quando o racionamento de água ficou apenas na lembrança da população santarritense, ao mesmo tempo em que continua assombrando muitos municípios da região.

A primeira ação, em parceria com o DAEE (Departamento de Água e Energia Elétrica do Estado) de Ribeirão Preto, aconteceu durante pouco mais de dois meses (junho a setembro de 2014) com a obra de desassoreamento da represa Passa Quatro, a principal fonte de abastecimento da cidade.

Com investimento de cerca de R$ 300 mil na época, a obra aumentou a capacidade de armazenamento da represa de 73 mil, para 182,5 mil metros cúbicos de água. A draga fornecida pelo DAEE retirou cerca de 10 mil caminhões de terra da represa, aumentando sua profundidade.

Concluído em setembro daquele ano, a obra colocou um ponto final no racionamento – já que a medidanão precisou ser tomada mais nos anos seguintes – e deu início a um projeto maior no setor de saneamento, com muitos estudos na área técnica e a participação popular, através de conselhos municipais e uma comissão especialmente formada para tratar do assunto.

O planejamento resultou na medida mais importante, a concessão do serviços de água e esgoto para a iniciativa privada. Após os trâmites previstos em legislação, a Comasa (Companhia Águas de Santa Rita) assumiu o setor há cerca de dois anos e desde então já investiu cerca de R$ 6 milhões, garantindo não só o abastecimento, como também a qualidade da água fornecida.

“Gestão de uma cidade é feita pensando em toda sua coletividade, com planejamento e visão de futuro. Depois de quatro anos, o resultado pode ser avaliado indo pessoalmente na nossa represa, no córrego Passa Quatro”, disse o prefeito. “Em seguida, com uma visão mais corajosa, realizando a concessão do serviço de água e esgoto da cidade, resultando em fornecimento de água tratada para 100% da população, enquanto a região continua sofrendo o racionamento”, concluiu.