Delegado Responde - Homem morre esfaqueado durante discussão no Jardim Planalto


JORNAL O SANTARRITENSE - Dr. Domingos, esta semana nossa cidade foi abalada pela notícia de homicídio no Jardim Planalto, tendo a vítima falecido em consequência dos inúmeros ferimentos produzidos por golpes de faca que atingiram várias partes de seu corpo. O Doutor poderia nos esclarecer como ocorreram os fatos?

DR. DOMINGOS ANTÔNIO DE MATTOS –
Infelizmente, na madrugada do dia 06 p.p., fui acionado para comparecer na Rua Dr. Marcio Rubens Prado, no Jardim Planalto, para atendimento de um homicídio, sendo que ao chegar ao local encontrei o corpo da vítima caído na via pública, em decúbito lateral direito, com inúmeras perfurações provocadas por arma branca (faca) e grande concetração de sangue debaixo e ao seu redor.

A vítima trajava apenas cueca e foi identificada como Claudinei Aparecido Dias, morador na casa existente defronte onde estava seu cadáver. Nas proximidades também foi constatada a existência de várias manchas de sangue, além de um rastro de sangue que seguia sentido Bairro/Centro. A Polícia Militar preservava o local e informou que o autor, identificado como Edson da Silva, havia sido capturado, no trevo Mario Sérgio Papa Marchini com ferimento em sua perna, razão pela qual havia sido conduzido para a Santa Casa e passava por atendimento médico. 

No momento da abordagem o autor portava a faca utilizada no delito e não teria resistido à prisão. Ato contínuo me desloquei até a Santa Casa e em conversa informal com o autor o mesmo confessou a autoria do crime alegando que assim agiu em virtude da vítima estar “saindo com sua esposa”, inclusive os havia surpreendido juntos, no início da noite, ocasião em que discutiram e dela (da vítima) recebeu um tapa no rosto. 

Ainda segundo relatos do autor, após citada discussão, passou por diversos bares e ingeriu bebida alcoólica. Durante a madrugada, por volta de 03h30m, o autor se armou com uma faca e um instrumento conhecido como “nunchaku”, se dirigindo até a casa da vítima para matá-la. Defronte a casa da vítima ocorreu uma discussão e as partes iniciaram luta corporal, tendo o autor se utilizado da faca que portava para golpear a vítimana altura do pescoço. 

Para justificar sua conduta o autor alegouque havia sido golpeado em sua perna pela vítima, a qual também estava com uma faca. Ressalte-se que na cena do crime não foi localizada nenhuma faca, sendo apreendida apenas aquela utilizada pelo autor. Ainda procurando esclarecer os fatos essa Autoridade Policial conseguiu imagens de câmeras de casas vizinhas onde se visualiza o autor chegando ao local, com a faca oculta em suas costas, chamando a vítima e quando é atendida se inicia uma luta corporal. 

Nesse momento é observado que apenas o autor portava uma faca com a qual tentava golpear a vítima. Em seguida a vítima busca socorro no portão de uma casa vizinha, sendo perseguida e golpeada nas costas pelo autor, ambos caindo no chão. Mais uma vez a vítima tenta fugir e é alcançada pelo autor, novas agressões ocorrem e a vítima cai desfalecida em local cuja imagem é prejudicada pela folhagem de uma árvore. 

Nesse momento o autor desce a rua, pega seu sapato, retorna onde está a vítima, fica por alguns segundos oculto das filmagens e foge mancando em virtude dos ferimentos recebidos em sua perna. Essas imagens foram fundamentais para esclarecer a dinâmica do crime e derrubar a versão do autor de que a vítima também estava na posse de uma faca. O ferimento na perna da vítima provavelmente ocorreu durante a luta corporal que manteve com a vítima.

J.O.S. – O autor foi preso?

DR. DOMINGOS - O autor foi preso e autuado em flagrante delito por homicídio qualificado por motivo fútil, ou seja, aquele notavelmente desproporcionado ou inadequado, do ponto de vista do “homo medius” e em relação ao crime de que se trata. Caracteriza-se por uma enorme desproporção entre a causa moral da conduta e o resultado morte por ela operado no meio social.

J.O.S. – Qual a pena prevista para o crime de homicídio qualificado?

DR. DOMINGOS - A pena em abstrato prevista no artigo 121 § 2o inc II do CPB é de 12 a 30 anos de reclusão.

J.O.S. – O autor permanecia internado na Santa Casa, ele já foi transferido para a Cadeia?

DR. DOMINGOS - Em virtude do ferimento sofrido em sua perna o autor perdeu muito sangue e foi necessário permanecer internado em observação até a manhã de sexta-feira, dia 08, sendo que após receber alta hospitalar foi apresentado para audiência de custódia junto ao E. Juízo local e a prisão em flagrante foi convertida em preventiva com o consequente encaminhado para a Penitenciária de Araraquara onde deverá aguardar o julgamento.

J.O.S. – O autor demonstrou arrependimento pelo crime cometido?

DR. DOMINGOS - Em nenhum momento o autor demonstrou arrependimento, muito pelo contrário, a todo o momento ele dizia que a vítima merecia morrer e que sua intenção era decepar o pescoço da mesma e pendurar em uma cerca de arame.