Policial

[Policial][bsummary]

Cultura

[Cultura][bsummary]

Mulher

[Mulher][bsummary]

Tecnologia

[Tecnologia][twocolumns]

80 anos da Casa Giroto - Parte da história de Santa Rita do Passa Quatro



Estávamos batendo papo nas redes sociais, quando alguém começou a lembrar os comércios antigos, amigos que não têm o privilégio de estarem aqui na terrinha, mas sempre que têm oportunidade vêm visitar familiares e vamos ser sinceros, tem muita gente voltando!

Foi um auê, a cada hora aparecia o nome de um, e ai lá vinham os comentários, e a beleza da tecnologia que a cada nova conversa, volta-se ao topo. O assunto era só saudade, de repente alguém falou “e a Casa Girotto gente?” aí foi aquela festa para o pessoal daqui responder: Essa está firme! Firme mesmo e para nosso deleite a Casa Girotto continua, e quem pensa que tudo mudou, pode ficar feliz, porque ainda hoje, 80 anos depois, você pode comprar uma pimentinha do reino moída na hora!
 

É claro que para dar a sequência incorporaram novos produtos, mas as panelas? As tradicionais peças de fogão, os copos de liquidifcadores, os sacos para aspiradores de pó, os acessórios antigos... ainda tem lá, assim como as serpentinas, popularmente conhecidas de “rabo quente”, panelas de pressão de todos os tamanhos e com garantia de fábrica, moedores de carne, estão lá ao lado de utensílios modernos e são repostos sempre, porque as vendas são grandes. E os famosos filtros de barro, nosso orgulho, os melhores são do Brasil, que voltaram a vender, seja porque são ótimos, seja porque deixam a água com um sabor de casa da avó. 

Campeã da nova versão da Casa Girotto, o sucesso fica por conta também do artesanato que a Sueli, esposa do Pedrinho faz com muito carinho. São arranjos lindos em que ela usa materiais do seu sitio, como: palha, flores que são desidratadas e ficam lindas, um trabalho diferente do outro, pois os artesanatos são únicos.
 

Também os latões antigos que eram para transportar o leite da fazenda, os latõezinhos de leite, os ferros de passar roupa... eles pas sam pela criatividade de Sueli, viram peças únicas para enfeites e estão espalhados por aí, em muitas cidades do Brasil.

Fomos até a casa do casal Pedro e Sueli para falar desses 80 anos e dividir essa alegria com todos, registrar essa data tão linda! Numa tarde de sexta-feira sentamos para conversar e as lágrimas rolaram nos olhos desse casal que há 30 anos está dando sequência a Casa Girotto. 


“Lá se vão 80 anos na labuta diária, 365 dias do ano. Casa Girotto fundada em 1938 pelo imigrante italiano Pedro Girotto e sua esposa Concheta Manarim. Já assistimos há várias mudanças políticas, climática e sociais. SOBREVIVEMOS! Economicamente superamos vários percalços, ocasionados por fatores alheios a nossa vontade. E acabamos sendo os sucessores. Eu, Pedro José Girotto e minha esposa Sueli Paschoal demos continuidade a tradição comercial”, declarou Pedrinho Girotto.

Pedro e Sueli cuidam de tudo na loja, hoje com poucos assistentes, mas a paixão é grande, sabemos que pessoas da região toda vêm comprar aqui, é como se voltássemos no tempo, contando também com dedicada funcionária Rose trabalhando na loja há 27 anos, fazendo parte da nossa estória. Na sua última repaginada ganhou o ar mesmo de decoração, toda linda, sem perder o charme do estilo antigo e continua no mesmo endereço à Rua Dr. José Pereira de Abreu, 321. 


O casal teve dois flhos, Rodrigo Paschoal Girotto (pai do João Vitor) e Renata Paschoal Girotto Pizzo casada com André Pizzo (pais de Rafael). Agora nos resta saber, qual desses flhos, ou netos vão continuar com a Casa Girotto, para que a cidade não perca essa pérola da nossa história.

Nosso carinho a toda família Girotto, ao Sr. Pedro e todos seus irmãos, todos que lutaram em várias frentes, participando do progresso de Santa Rita do Passa Quatro com o Supermercado Giro-Peg, pioneiro dos supermercados em Santa Rita, fundado em 1968 e o Supermercado Gigantão, fundado em 1971. 


Sonia Baptista.