Cidade

[Cidade][bsummary]

Policial

[Policial][bsummary]

Mulher

[Mulher][bsummary]

Tecnologia

[Tecnologia][twocolumns]

Delegado Responde: Casos de suicídio em nossa cidade



JORNAL O SANTARRITENSE - Dr. Domingos, na manhã de quinta-feira, mais uma pessoa morreu enforcada em nosso município. O Doutor poderia fornecer maiores detalhes sobre o ocorrido?
DR. DOMINGOS ANTONIO DE MATTOS – Infelizmente, na manhã do dia 19, fomos acionados para comparecer em uma edícula existente na Rua Sete de Setembro, fundos, área central de Santa Rita do Passa Quatro, onde nos deparamos com o cadáver da vítima, sexo masculino, 55 anos, a qual ceifou sua vida através de enforcamento e utilizou para isso um cabo de aço, de espessura fina, o qual foi envolto em seu pescoço e amarrado ao caibro de sustentação do telhado. Em vistoria preliminar no local, a princípio, a Polícia trabalha com a hipótese de suicídio, vez que as lesões aparentes do cadáver denotam que sua morte foi causada por asfixia mecânica (enforcamento), com suspensão completa do corpo, existência de sulco único no pescoço, cabeça voltada para o lado contrário do eventual nó, entre outras evidências. Também foi localizado no local um bilhete onde a vítima pede que seu cachorro seja entregue a um conhecido, corroborando ainda mais a hipótese de suicídio. A Equipe do I.C. de São Carlos foi acionada e realizou pericia no local e o corpo foi encaminhado para exame necroscópico junto ao IML daquela cidade, sendo o inquérito instaurado para total elucidação dos fatos.

J.O.S. – Também nessa semana, mais precisamente no dia 17, a cidade foi abalada com a no cia de um grave acidente automobilístico no qual faleceu o condutor do veículo, um jovem de apenas 19 anos. A Polícia já sabe como tudo aconteceu?
DR. DOMINGOS – Visando o esclarecimento da dinâmica e circunstâncias em que ocorreu o acidente determinei a instauração de inquérito policial, o qual recebeu o no. 243/2017 e deverá estar concluído no prazo de 30 dias, ocasião em que teremos as respostas para entendimento dos fatos. A princípio se sabe que a ví ma, no início da tarde, conduzia o veículo VW/Saveiro, branco, pela Rodovia Zequinha de Abreu, sentido cidade/ Anhanguera, quando, na altura do Km, 2,5, perdeu o controle sobre seu conduzido, o qual derivou para a esquerda, observando o sentido que trafegava, ultrapassou a faixa de rolamento e o acostamento que lhe eram desfavoráveis, adentrou em uma zona de escape, rompeu dois mourões de cerca de cimento e se chocou contra uma curva de nível para, em seguida, se lançar no alto e cair aproximadamente uns 50 m de distância em meio ao canavial.

J.O.S. – O Dr. poderia esclarecer essa colocação do veículo ter se “lançado ao alto”?

DR. DOMINGOS – Pelo que observamos no local, a força do impacto contra a curva de nível foi tão grande que o veículo subiu a uma altura considerável e praticamente voou por cima do canavial, por uns 40 metros, caindo ao solo e se imobilizando onde foi localizado. Não encontramos nenhum indício de que o veículo tenha se arrastado até onde ficou paralisado, totalmente destruído, por isso a afirmação de que passou por cima da plantação de cana até a queda no solo.

J.O.S. – A vítima estava presa nas ferragens?
DR. DOMINGOS – Não, com a violência do acidente o corpo da vítima foi arremessado para fora do veículo, possivelmente quando o mesmo estava acima da cana de açúcar, caindo há aproximadamente 70 metros de onde o veículo foi localizado. Também no caso do corpo da vítima não encontramos cana deitada antecedendo sua localização, tudo indicando que com o força do impacto foi lançada por sobre a vegetação.

J.O.S. - A vítima usava cinto de segurança?

DR. DOMINGOS – Quando analisamos o corpo, ainda no local do acidente, não visualizamos nenhuma lesão que pudesse ser atribuída ao cinto de segurança, por isso acredito que a vítima não estava utilizando referido equipamento de segurança.

J.O.S. – O Dr. já sabe a causa da morte?
DR. DOMINGOS – Em contato com o Dr. Médico Legista, o mesmo concluiu que a morte ocorreu em virtude de politraumatismo, resultante de acidente de trânsito.

J.O.S. – Muitos comentários estão surgindo nas redes sociais de que a vítima tomou o remédio conhecido como Rivotril e saiu com o veículo na intenção de se matar? Essa versão é aventada pela Polícia Civil?
DR. DOMINGOS – Nenhuma hipótese é descartada durante a investigação e essa notícia já chegou ao nosso conhecimento, no entanto ainda não temos subsídios para confirmá-la, sendo que apenas com o resultado do exame toxicológico saberemos se a vítima havia ingerido alguma substância antes do acidente. No inquérito instaurado ouvimos algumas pessoas ligadas à vítima, as quais disseram que ela nunca comentou sobre sua intenção de se suicidar. Também verificamos que, no dia dos fatos, por volta de 12h00m, a vítima postou em seu “status” do Whatsapp a mensagem “toda história tem um fim...”, mas ainda precisamos de maiores indícios para afirmar que a mesma indicava vontade de ceifar sua própria vida.

J.O.S. – A Polícia encontrou alguma substância ou medicamento no interior do veículo?
DR. DOMINGOS – Não, em que pese as diligências realizadas no veículo e nas imediações, nenhum tipo de medicamento ou substância, lícita ou ilícita, foi localizada.