Policial

[Policial][bsummary]

Cultura

[Cultura][bsummary]

Mulher

[Mulher][bsummary]

Tecnologia

[Tecnologia][twocolumns]

Quatro pessoas foram baleadas em Salão de Beleza de nossa cidade


No final da tarde de 25 de agosto, por volta de 17h30 Adão Pereira Lopes, 32 anos, residente na Vila São Salvador, acompanhado de Jonas Silva dos Santos, 26 anos, residente no Jardim Boa Vista e de Edson Alves dos Santos, 27 anos, residente em Araras-SP, estavam no Salão de Cabeleireiro de Mildo de Souza Santos, que fica na Avenida José Ribeiro de Oliveira, Jardim Alvorada, quando 04 elementos encapuzados e armados adentraram no local e começaram a efetuar disparos de armas de fogo.

Adão foi atingido várias vezes e faleceu no local enquanto Edson foi socorrido e veio a falecer ao dar entrada na Santa Casa de nossa cidade. Jonas também foi encaminhado para a Santa Casa onde passou por cirurgia e devido seu estado considerado grave foi transferido para Ribeirão Preto.

Milton (Mildo) também ferido pelos tiros, recebeu atendimento no hospital, ficou internado e recebeu alta no dia seguinte. Sua esposa também estava no salão naquele momento, fazendo suas próprias unhas. No momento em que os homens entraram atirando, ela se jogou no chão simulando ter sido atingida. O casal não conseguiu reconhecer nenhum dos atiradores, mais afirmaram apenas que os elementos entraram gritando “perdeu” e começaram a atirar.

Foi constatado no Salão de Cabeleireiro após o fato, a existência de muito sangue, dezenas de estojos de projéteis calibre 40 e 9mm, perfurações de projéteis na parede, sofá, vidro e na cadeira de rodas que Adão utilizava.

O Instituto de Criminalista foi acionado e o perito recolheu 13 estojos de munição além de vários projéteis.

A vítima fatal Adão era membro do PCC e já esteve preso em virtude de condenação por tráfico de entorpecentes.

A hipótese mais provável é a de que o crime foi um acerto de contas entre quadrilhas, pois há informações de que Adão havia contratado elementos para matar indivíduos também envolvidos no tráficos os quais possivelmente tomaram conhecimento e se anteciparam na ofensiva. Até o fechamento desta edição os atiradores não tinham sido identificados e não havia nada de oficial sobre o que causou o crime. Outras informações na Coluna do Delegado.