Cidade

[Cidade][bsummary]

Policial

[Policial][bsummary]

Mulher

[Mulher][bsummary]

Eventos

[Eventos][twocolumns]

Pesquisa da USP São Carlos testa proteína de trepadeira no combate ao vírus HIV



Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), em São Carlos, em parceria com a Universidade da Louisiana, nos Estados Unidos, testam uma substância para combater o vírus HIV. Os cientistas extraíram da semente de uma trepadeira, planta encontrada na região Nordeste do país, uma proteína chamada puchelina. Nos testes, ela matou 90% das células infectadas.

Segundo a pesquisadora Ana Paula Ulian Araújo, as sementes da planta Abrus pulchellus tenuiflorus são tóxicas e, se ingeridas, podem matar.

Efeito em células doentes A proteína da semente foi ligada a anticorpos produzidos no laboratório. Os pesquisadores testaram a substância em células com o vírus HIV, fornecidas por um hospital norte-americano.

Nos testes feitos no Instituto de Física da USP, eles descobriram que a mistura da proteína puchelina com os anticorpos identifica somente as células doentes, matando o HIV. Já os glóbulos brancos sadios não são atingidos.

O pesquisador iraniano Mohammad Sadraeian, que coordenou os testes, explicou que a substância age em pouco tempo e 90% das células infectadas com o vírus HIV morrem em dez minutos.

O resultado acaba de ser publicado em um dos principais sites de divulgação científica do mundo, o Scientific Reports, que reúne artigos da revista Nature.

Testes em macacos e humanos A próxima fase é testar a substância em macacos e depois em humanos. “É o começo muito positivo que pode trazer, a partir de estudos então posteriores, quem sabe a tão desejada cura da Aids. É claro que a gente não pode dizer isso agora, mas o potencial existe e é muito promissor”, disse a pesquisadora da USP.