Pensando Bem... Justiça


Esta palavra adquiriu pra mim (e acredito que para milhões de brasileiros) um sentido muito especial, principalmente nos últimos anos. Nunca se falou tanto sobre o assunto, desde que mundo jurídico passou a assumir o papel de protagonista deixando o “berço esplêndido” onde jazia adormecido. Nunca ouvimos tantos termos técnicos ligados ao judiciário. Estamos aprendendo a substituir, lentamente, o “futebolês” pelo idioma jurídico. Termos como “medida cautelar”, “jurisprudência”, “condução coercitiva”, “precatória”, etc. viraram palavreado de bar. Quem diria que o noticiário de TV, rádio e internet sofreria tamanha guinada? Quem diria que nossos heróis, antes ligados ao mundo do futebol e/ou do cinema, seriam os homens (e mulheres) de toga. Novos tempos. Novos rumos.

Milagre.
Pensando bem, acredito que o que ocorre atualmente no Brasil é um milagre. Uma intervenção sobrenatural. O câncer da corrupção, que todos sabíamos existir, mas não admitíamos mexer para não piorar, está passando por um processo cirúrgico que, peço à Deus, vá até o fim e seja bem sucedido, antes que o país sofra uma metástase. Que os juristas que estão à frente deste processo não esmoreçam, não se intimidem, não se acanhem, nem se considerem, eles mesmos, acima do bem e do mal. Pelo contrário, representem os anseios da nação. Não tenham cor partidária, não sejam manobrados, mas manobrem essa imensa embarcação de 203 milhões da habitantes em direção à Ordem e ao Progresso.

Biópsia.
Pensando bem, é hora de se fazer uma biópsia profunda na política brasileira e suas ligações com as empresas, com as campanhas políticas, com o gasto público. Eu e você temos que agir como cidadãos de bem, apesar de estarmos imersos numa sociedade má, corrompida pela sedução do poder e a concupiscência insaciável dos “poderosos”. Repressão apenas, no entanto, não é suficiente. As polícias civil, federal e militar acionadas pela promotoria e pelos tribunais não é suficiente. Os currículos escolares deveriam incluir Educação Moral e Cívica, como antigamente. O combate à corrupção não se faz apenas mandando os irresponsáveis para a cadeia, mas educando as novas gerações a serem cidadãos de bem, isso desde a mais tenra idade.

Corrupto? Eu?
Pensando bem, precisamos encarrar essa realidade combatendo a corrupção dentro de nós. Toda vez nos apropriamos de algum bem, vantagem ou privilégio do qual não temos direito, estamos nos corrompendo. Ainda que seja estacionar na vaga de um idoso ou portador de necessidades especiais por alguns minutos. Ainda que seja uma simples cola numa prova ou exame. Ainda que seja uma informação modificada, subtraída ou exagerada para causar boa impressão. A corrupção está nos altos escalões, mas também no cotidiano de cada um, incrustado nas mais abissais e desconhecidas motivações .

Fonte de Justiça
Pensando bem, a fonte de toda justiça é Deus e somente conhecendo a Deus e sua vontade, expressa em sua palavra, a Bíblia, poderemos nos corrigir e andar na direção de uma sociedade mais justa, mais ética, mas respeitosa, menos belicosa e mais solidária. “Deus é amor” (1ª João 4:16). Quem ama à Deus, e se sabe amado por Ele, “amará seu próximo como a si mesmo”. Assim sendo, abandonará a corrupção, pois saberá que cada vantagem ou privilégio obtido sem ter o direito, significa subtrair o direito legítimo de alguém. Na cruz, Cristo foi injustiçado, para que por meio de sua vida justa, pudesse justificar a todos quantos creem nele para a salvação. Sim, “em Cristo não havia pecado. Mas Deus colocou sobre Cristo a culpa dos nossos pecados para que nós, em união com ele, vivamos de acordo com a vontade de Deus” (2ª Carta aos Coríntios 5:21 - NTLH).

Reconheça sua necessidade.
Arrependa-se de seus erros, que não são apenas de caráter social, familiar, econômico ou moral, mas são todos contra Deus e sua Santa Justiça. Confie em Cristo, e nele somente, como seu único e todo suficiente Salvador e Senhor. Com isso poderá contemplar, por experiência própria, a alegria cristã expressa na carta aos Romanos, capítulo 5, verso 1 e 2: “Justificados, pois, pela fé, tenhamos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo, por quem obtivemos também nosso acesso pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e gloriemo-nos na esperança da glória de Deus”.

sergiomarcosmevec@gmail.com