Estes erros podem estar matando a bateria de seu smartphone. Saiba como evita-los.


Os smartphones fazem parte do nosso dia a dia. É bem provável que você fique usando o seu por muito tempo. E quando falamos disso, temos que levar em considerações todas as partes que compõe o seu aparelho, como as baterias. As baterias, assim como todo item de consumo, tem vida útil, e seja por comodismo ou por não contar com a orientação correta, a vida útil de sua bateria pode estar se esgotando de maneira rápida, talvez sem você nem perceber.

Preparamos para você nesta edição do Santarritense 2.0, alguns conselhos que podem ajudar e muito a manter a bateria do seu smartphone bem, evitando ao máximo dores de cabeça com assistência ténica ou até mesmo o "fim" do seu dispositivo. Vale lembrar que não são regras para serem "ditadas", afinal os dispositivos são pessoais e cada um cuida do seu aparelho da maneira que acha melhor, mas nossos conselhos buscam ajudar você a usar melhor seu smartphone, então aproveite:

- Carregar o smartphone no computador
É muito comum carregar o smartphone no computador, já que as facilidades das conexões USB permitem isto, além de mantê-lo a mão por mais tempo. Acontece que o cabo USB de seu smartphone vem na caixa para conexões curtas, para colocar arquivos ou configurar o aparelho. O site especializado Battery University mediu e confirmou uma perda de até 65% da capacidade da bateria, devido a esta maneira de carregar. Funciona assim: as correntes oscilam muito nas duas entradas USB, o que podem causar mais aquecimento do que deixá-lo na tomada. Além da carga demorar mais.

- Deixar o smartphone carregando toda a noite
Sim, é prático chegar de sua faculdade, escola ou trabalho á noite, e antes de dormir colocar o smartphone na tomada e deixá-lo lá até o outro dia, aonde estará com 100% e pronto para mais um dia. O problema é que não é recomendável esta atitude, pois o limite das 8 a 10 horas de carregamento contínuo pode trazer danos à bateria. Um mito comum neste caso é o fato de que a bateria precisa ser totalmente descarregada, coisa que não é necessária com as atuais baterias de lítio. Falaremos melhor disso logo mais.

- Continuar usando o smarphone durante o seu carregamento
O momento de carregamento deve -- ou deveria -- ser exclusivamente para a recarga, com breves usos para alguma checagem de notificação ou mensagens. O uso comum do dispositivo o faz aquecer, aumentando a temperatura do seu smartphone e o calor é o principal inimigo das atuais baterias. Aproveite o momento de carregamento de seu smartphone para fazer outras atividades, ás vezes você pode estar viciado no aparelhinho e isso não é nada bom, nem pra você nem para o seu aparelho.

- Descarregar totalmente a bateria
Um mito que não vale mais hoje. As baterias de hoje não "viciam" mais, logo é preferível que se façam mais cargas rápidas durante o dia do que "cargas extremas", além do fato de que pode fazer mal para o seu aparelho este tipo de "método". Os aparelhos atuais desligam o smartphone, por segurança, quando a bateria está a 5%, logo o recomendável é carregar o aparelho na faixa dos 20%.

- Deixar o smartphone no carro e/ou no sol
Repetindo o que foi falado anteriormente: calor faz mal para a bateria do seu aparelho. E deixá-lo no carro, principalmente no calor, além de dar margem para algum furto, também significa colocar o seu querido (e ás vezes, caro) aparelho para assar em um forno. Por isso, manter o aparelho em um lugar fresco é um baita favor que você faz. Seu smartphone agradece.

- Usar carregadores "da banquinha"
Parece chatice, mas não. Os produtos são desenvolvidos exclusivamente para outros produtos em específico. O "mais fácil", que significa ir até a loja mais próxima e comprar o primeiro carregador que você vê na frente pode ser uma morte a longo prazo para o seu aparelho, já que estamos falando de uma parte do seu smartphone que lida com correntes elétricas. Vale a pena gastar um pouco mais e repor o carregador quebrado por um aparelho oficial. Vale aquela lógica: se você comprou determinado dispositivo, deve levar em consideração todo o seu contexto, incluindo manutenção e valores das peças de reposição.