Cidade

[Cidade][bsummary]

Policial

[Policial][bsummary]

Mulher

[Mulher][bsummary]

Eventos

[Eventos][twocolumns]

Língua Portuguesa: PROPOSITALMENTE e O PROPÓSITO



Na edição de 1o de julho passado, em artigo por mim escrito, PROPOSITALMENTE coloquei a seguinte frase “... vejo como desrespeito à Comunidade Lusófona que falam e escrevem o Português...”, com O PROPÓSITO de provocar comentários entre os leitores a respeito de Concordância Verbal e de escrever um pouquinho sobre este assunto tão polêmico. Felizmente ou infelizmente não me chegou nada. Mas vamos ao que interessa.

Como se sabe, a palavra COMUNIDADE expressa ideia de pluralidade de agrupamento humano e isso nos leva a “erro”, tanto no falar quanto no escrever. Daí o problema de colocar-se o verbo no singular ou plural. Para não incorrer em “erro’, o melhor é seguir a regra simples: sujeito coletivo no singular, usar verbo no singular. Portanto o “correto” é: “...vejo como desrespeito à Comunidade Lusófona que fala e escreve o Português...” Há outros tantos exemplos por aí, mas citarei apenas um, o qual ouço com certa frequência: “a gente fomos” em lugar de “a gente foi”. Quando o interlocutor diz “a gente”,ele faz referência a pelo menos duas pessoas – ele e outro. Daí a analogia e o erro. Isso é muito comum nos dias de hoje.

A propósito, a Comunidade Lusófona é composta por sete países que falam e escrevem a Língua Portuguesa – Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste e, obviamente o Brasil. E agora? Os verbos falar e escrever podem estar no plural? Sim, pois na frase acima pretende-se destacar os “sete países”, portanto as duas concordâncias são corretas.

E veja – “O conselho se reuniu, e decidiram recomeçar a guerra”. Talvez você diga – “Mas que loucura!!” E eu digo – “Mas que riqueza essa nossa Língua!”

Por: Osvaldo Clapis