Cidade

[Cidade][bsummary]

Policial

[Policial][bsummary]

Mulher

[Mulher][bsummary]

Eventos

[Eventos][twocolumns]

Delegado Responde: Homicídio na cidade e apreensão de drogas



JORNAL O SANTARRITENSE – Dr. Domingos, na madrugada do dia 08, na Vila João Lázaro, ocorreu o primeiro homicídio do ano em Santa Rita do Passa Quatro. A Polícia Civil já conseguiu identificar a autoria do delito?

DR. DOMINGOS ANTONIO DE MATTOS – Infelizmente, na madrugada do dia 08 p.p., policiais foram acionados para atendimento de ocorrência de agressão física, isto no quintal de uma das residências da Vila João Lázaro, nesta cidade, onde a vítima estava caída no chão com grande perda de sangue devido aos ferimentos, localizados principalmente na região de sua cabeça. Quando da chegada dos policiais ao local o SAMU já estava realizando o atendimento e providenciando transporte da vítima até a Santa Casa, aonde a mesma veio a falecer. Nas diligências preliminares surgiram alguns nomes e hipóteses para o cometimento do crime, mas tudo sem nenhuma sustentação. Imediatamente instauramos inquérito policial para esclarecimento dos fatos e identificação da autoria do delito, passando o setor de investigações a realizar inúmeras diligências a fim de amealhar provas capazes de embasar eventual denúncia do Ministério Público e Processo Penal junto ao Poder Judiciário.

As pessoas, nestes casos de violência, tem medo de testemunhar por temerem pela vida própria e de familiares, então procuram se esquivar apresentando versões contraditórias e às vezes fantasiosas, mas todas são verificadas para checar sua veracidade. Um dos pontos importantes para esclarecimento dos fatos foi à localização, pelos investigadores, de câmeras de segurança que permitiram, a princípio, entender toda dinâmica do crime e depois a identificação de seus autores. Segundo essas imagens, após uma discussão em um posto de combustível, a vítima chega ao local caminhando normalmente e sendo seguida, logo atrás, por outro elemento, ambos ingressando no quintal da residência situada na Vila João Lázaro. 

Minutos depois chegam dois dos autores, apressados, conversam com o morador da casa e ameaçam se afastar do local, mas neste interim a vítima e seu acompanhante se deslocam para frente do corredor da casa, fazendo com que os autores retornem. Neste momento começa uma discussão e briga entre a vítima e um dos autores, sendo que o segundo autor surge rapidamente e desfere golpes, utilizando-se de uma telha romana de cerâmica, contra a cabeça da vítima derrubando-a no chão. Aproveitando o primeiro autor pega uma barra de cano que estava no local e que a vítima possivelmente pretendia utilizar para se defender e desfere contra a mesma (vítima) inúmeros golpes, inclusive na cabeça, além de vários chutes. 

Ainda não contente com a situação, o segundo autor pega outra telha cerâmica e novamente desfere golpes na cabeça da vítima que permanecia desacordada no solo. O elemento que acompanhava a vítima não intervém e tenta fugir do local, momento em que chega um terceiro, se aproxima da contenda mas vai embora junto com os outros dois autores. Minutos depois chega ao local o SAMU e socorre a vítima. Outras imagens também permitiram identificar momentos que antecederam o crime e a trama dos autores. 

A partir dessas imagens o Setor de Investigação conseguiu identificar os autores e testemunhas, motivadas pelo desenvolvimento das investigações na procura da verdade real, se viram motivadas a contar o que realmente sabiam sobre os fatos, tudo convergindo para dois autores, um deles já tendo tentado agredir a vítima em outras oportunidades. Além das imagens conseguidas pela Polícia Civil, no bojo do inquérito existe prova suficiente quanto à autoria do delito e sua materialidade, razão pela qual representei junto ao Poder Judiciário pela decretação da Prisão Temporária dos autores, tendo os Mandados sido expedidos e os mesmos considerados foragidos, vez que não estão mais no município. As diligências investigativas da Polícia Civil continuam e esperamos, em breve, prender os autores e concluir o Inquérito Policial.

J.O.S. – Esse tipo de crime abala toda a população, a polícia não consegue efetuar uma prevenção eficaz para que o mesmo não ocorra?

DR. DOMINGOS - Embora a polícia, de um modo geral, trabalhe na prevenção de delitos, entre eles o de homicídio, é humanamente impossível prever quando algo dessa natureza pode ocorrer. Às vezes, até mesmo em festas de confraternização surge uma discussão tola, entre aqueles que se diziam amigos, surgindo clima propício para ocorrência desse tipo de delito. Existe também o pensamento que desarmando a população o número de homicídios irá diminuir, mas o caso em tela demonstra o contrário, bastou à intenção de matar e os envolvidos improvisam armas, aqui telhas de cerâmica e barra de ferro, para concretizar seu intento. Somente à execução de políticas públicas sérias, com investimento em educação, saúde, emprego e segurança, irá auxiliar na diminuição, de um modo geral, da violência em nosso País.

J.O.S. - Essa semana foi bem agitada e também tivemos a apreensão de grande quantidade de drogas. O Senhor poderia comentar essa ocorrência?

DR. DOMINGOS - Na tarde da última quarta-feira, dia 12, policiais rodoviários verificavam denúncia de um veículo que estaria transportando entorpecente pela Pista Sul (sentido capital) da Rodovia Anhanguera, sendo que ao darem sinal de parada ao condutor de um GM/Onix, cor preta, seu condutor desobedeceu e prosseguiu em marcha. No Km 253 de citada Rodovia, o motorista colidiu levemente contra a defensa do pedágio, abandonou o veículo e se embrenhou no canavial existente nas proximidades, não sendo localizado até o presente momento. 

No interior do veículo abandonado se constatou que o assento do banco traseiro havia sido retirado, bem como do porta-malas o estepe e macaco, tudo para dar espaço que foi preenchido por inúmeros tabletes da substância conhecida como maconha. Apresentada a ocorrência nesta Unidade providenciamos a apreensão da droga, a qual pesou 546 Kgs, distribuídos em 126 tabletes unitários e 34 invólucros plásticos preto, grandes, contendo inúmeros tabletes de maconha. O veículo e apetrechos encontrados em seu interior, como rádio transmissor, celular e TAG também foram apreendidos para auxiliar nas investigações. 

Quanto ao veículo o mesmo pertence a uma locadora e foi locado, no mês de maio de 2017, em sua filial de Santo André, já tendo a Polícia Civil dados quanto a eventual pessoa que assinou o contrato, faltando conferir se a mesma não o fez se utilizando de documentos falsos. Também estamos analisando dados do rádio transmissor, celular e TAG para identificar a origem, trajeto e destino da droga, bem como participantes da quadrilha.

J.O.S. - A quantidade de droga é muito expressiva, qual o destino dado para a mesma?

DR. DOMINGOS - No mesmo dia da apreensão da droga, após as formalidades legais, entre elas pesagem e lacração, a mesma foi encaminhada para exame pericial junto ao IC de São Carlos, o qual forneceu laudo com resultado positivo para “cannabis sativa” (maconha) e nos devolveu o material periciado. Ainda objetivando a imediata destruição do entorpecente, mantivemos contato com o Ministério Público e Poder Judiciário que autorizou sua incineração em caráter de urgência, o que foi realizado em local apropriado e cujo endereço não podemos fornecer. 

A destruição desse entorpecente é muito importante para garantir a ordem social e evitar qualquer tipo de ação de quadrilhas especializadas tendentes a sua recuperação. Neste caso podemos observar que se trata de quadrilha organizada e com poder aquisitivo elevado, considerando que o entorpecente apreendido poderia gerar uma receita de aproximadamente R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais).

J.O.S. - O Dr. considera a hipótese de tráfico internacional de entorpecente?

DR. DOMINGOS – Nenhuma hipótese pode ser descartada durante as investigações e essa é uma delas, no entanto, tudo deverá ser esclarecido no transcorrer do Inquérito Policial que já foi instaurado nessa Unidade Policial e que está apenas no início dos trabalhos. Caso seja demonstrado estarmos diante de tráfico internacional, os autos serão imediatamente encaminhados para a Polícia Federal, órgão competente para apurar esse tipo de delito.