Cidade

[Cidade][bsummary]

Policial

[Policial][bsummary]

Mulher

[Mulher][bsummary]

Eventos

[Eventos][twocolumns]

ZPP Meio Ambiente: Biólogo explica importância das baratas, lagartixas e abelhas para o meio ambiente



Assustadores, repugnantes e até nojentos. Muitas pessoas sentem pavor de alguns bichos como baratas, lagartixas, abelhas e até de mosquitos. Mas a preservação deles é importantíssima para o meio ambiente. “Cada espécie tem uma função especial no ecossistema, e sua extinção poderia trazer alguns impactos ou desequilíbrio ao meio ambiente, mas que a maioria das pessoas desconhece”, diz o Biólogo Giuseppe Puorto, membro do CRBio-01 – Conselho Regional de Biologia – 1a Região (SP, MT e MS).

As abelhas, por exemplo, são e cientes polinizadoras, um trabalho fundamental para a promoção da diversidade das espécies de plantas. “É na polinização das ores que as abelhas prestam um enorme serviço ao meio ambiente, dando origem aos frutos de inúmeras espécies e chegando a aumentar a produtividade de plantas cultivadas em até 500%”, explica o Biólogo. Tanto que a redução da popula- ção de abelhas na Europa e Estados Unidos, nos últimos anos, se tornou uma das principais preocupações entre os cientistas.

As baratas também exercem um papel relevante, principalmente as que vivem na natureza. “Elas se alimentam de restos mortais de animais, excrementos de aves e material vegetal em decomposição, contribuindo com a manutenção da oresta. E serve também de alimento para outros animais, como pássaros, anfíbios e lagartos”, conta Puorto. No entanto, as urbanas já não são tão essenciais assim e, se eliminadas de vez do planeta, fariam pouca falta.

Embora, provavelmente, esteja na lista de um dos animais que as pessoas mais tenham desconforto, a lagartixa é uma aliada justamente no controle de pragas domésticas. Mosquitos, moscas, percevejos e até mesmo as temidas baratas urbanas, além de outros insetos que provocam tanto incômodo aos humanos, fazem parte do cardápio da lagartixa. “O seu desaparecimento certamente provocaria uma superpopulação de mosquitos”, conclui o Biólogo do CRBio-01.