Cidade

[Cidade][bsummary]

Policial

[Policial][bsummary]

Mulher

[Mulher][bsummary]

Eventos

[Eventos][twocolumns]

Pensando Bem: O ateísmo do Dr. House e a minha inteligência



A série de TV “House” é uma das mais bem boladas da TV paga, e seu personagem principal, Dr. House, propôs um novo estilo de herói: inteligente, irônico e ateu. Assisti a vários episódios e tenho que admitir que suas tiradas são mesmo incríveis. O enredo dos episódios são muito bem construídos e às vezes a ironia do personagem central é tamanha que precisamos assistir mais vezes para tentar entender o que aconteceu. Hugh Laurie é inglês e confessa ter sido difícil estrelar a longa série norte americana, tornando-se o ator mais bem pago da TV na época. Uma de suas frases mais instigantes é: “Se você fala com Deus, você é um religioso. Se Deus fala com você, você é um psicótico”. Esta é uma de suas frases que merece uma resposta, pois, pensando bem, atinge diretamente minha crença em Deus e principalmente minha inteligência.

Um argumento em favor da fé.
Primeiramente a crença numa divindade transcendente é universal. Está presente nas mais sofisticadas sociedades capitalistas ou socialistas como também nas mais primitivas.

Em segundo lugar a própria medicina tem reconhecido que a crença em “um deus” e a prática de “uma religião”, seja qual for, atribui ao paciente, energias que em muitíssimos casos, provê cura onde não havia mais esperança. Eis a razão porque nas últimas décadas se fala em medicina “holística”, ou seja, cuidado integral do paciente incluindo sua espiritualidade.

Além disso, a crença em um Deus pessoal, como creem as religiões monoteístas (Judaísmo, Islamismo e Cristianismo) prevê uma comunicação com Deus onde o fiel fala e Deus ouve, e Deus fala e o fiel ouve. Sendo estas três religiões as maiores (numericamente falando), teríamos que admitir que quase a totalidade dos habitantes do planeta seriam psicóticos.

Temos, porém, mais um bom argumento contra a ironia do Dr. House. Cientistas renomados como Nicolau Copérnico, astrônomo (1473-1543), Johannes Kepler, matemático e astrônomo (1571-1630), Galileu Galilei (1564-1642), René Descartes, matemático, cientista e filósofo (1596-1650), Isaac Newton, gênio da mecânica e matemática (1642-1727), Robert Boyle, químico (1791-1867) foram renomados cristãos cuja fé não afetou sua inteligência, pelo contrário, a potencializou.

Ciência e fé
Não podemos nos esquecer de Albert Einstein (1879-1955). Embora nunca tenha chegado a crer num Deus pessoal, ele reconheceu a impossibilidade de um universo não-criado. A Enciclopédia Britânica diz dele: “Firmemente negando o ateísmo, Einstein expressou uma crença no ‘Deus de Espinoza’, que se revela na harmonia do que existe'". Isto realmente mo vou seu interesse na ciência, como ele certa vez a rmou a um jovem sico: "Eu não sei como Deus criou este mundo, eu não estou interessado neste ou naquele fenômeno, no espectro deste ou daquele elemento. Eu quero conhecer os Seus pensamentos, o resto são detalhes". O famoso epíteto de Einsten sobre o "princípio da incerteza" era que "Deus não joga dados" - e para ele esta foi uma real declaração sobre um Deus em quem ele cria. Uma das suas a rmações famosas é: "Ciência sem religião é coxa, religião sem ciência é cega".

Se House estiver certo...
Se House estiver certo, grandes reis como Davi e Salomão foram psicóticos, pois ouviram a voz de Deus. Paulo, o apóstolo, cidadão romano e estadista cristão, um dos principais responsáveis para que o cristianismo se espalhasse por todo mundo an go e enfraquecesse o poderoso Império Romano, era um psicótico. O que House afirma sobre a fé é tão sério, que teríamos que atribuir psicose a Martinho Lutero, Madre Tereza de Calcutá, Martin Luther King Jr. , Bispo Desmond Tutu e uma infinidade de cristãos que entraram para a história como formadores de opinião e transformadores sociais.

Pensando bem, esta frase não me impede de assistir e continuar assistindo alguns episódios da série, pois inteligência instigante me atrai. No entanto, sua frase destacada neste artigo é ridícula, inconsequente, falaciosa e maliciosa, pois, se pretende defender o ateísmo que o faça de modo mais inteligente, pois chamar religiosos de psicóticos, além de não ser politicamente correto, constutui-se numa blasfêmia inominável.

“Antigamente, por meio dos profetas, Deus falou muitas vezes e de muitas maneiras aos nossos antepassados, mas nestes últimos tempos ele nos falou por meio do seu Filho” (Hb 1:1,2).

“Eu, o SENHOR, não mudo” (Malaquias 3:6).

“Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre” (Hebreus 13:8)

sergiomarcosmevec@gmail.com